InícioNotíciasPolíticaSilvio Almeida cobra regulação das redes sociais após morte de jovem

Silvio Almeida cobra regulação das redes sociais após morte de jovem

O ministro dos Direitos Humanos e Cidadania, Silvio Almeida, usou as redes sociais, no sábado (23/12), para cobrar regulação das redes sociais após a morte de uma jovem alvo de fake news. 

A mensagem de Silvio faz menção à morte de uma jovem de 22 que morreu após ser falsamente apontada como affair do humorista Whindersson Nunes. Ela teve conversas falsas compartilhadas na internet.

Em publicação no X, antigo Twitter, o ministro criticou a propagação de fake news e mensagens de ódio nas redes sociais.

“A irresponsabilidade das empresas que regem as redes sociais diante de conteúdos que outros irresponsáveis e mesmo criminosos (alguns envolvidos na politica institucional) nela propagam tem destruído famílias e impossibilitado uma vida social minimamente saudável”, escreveu.

Almeida também afirmou que a regulação das redes sociais é importante para a manutenção da democracia. “A regulação das redes sociais torna-se um imperativo civilizatório, sem o qual não há falar-se em democracia ou mesmo em dignidade. O resto é aposta no caos, na morte e na monetização do sofrimento”, publicou o ministro.

Silvio Almeida ministro dos Direitos Humanos e Cidadania do governo Lula metropoles

Silvio Almeida, ministro dos Direitos Humanos e Cidadania (MDHC) do governo Lula Clarice Castro/Ascom MDHC

Silvio Almeida

O ministro dos Direitos Humanos e Cidadania Silvio Almeida

PL das Fake News Silvio Almeida também compartillhou uma publicação do deputado Orlando Silva (PCdoB) em que o parlamentar defende a aprovação do projeto de lei (PL) 2630/20, o chamado PL das Fake News.

A matéria está com a tramitação parada na Câmara dos Deputados. Ela chegou a ter parecer divulgado por Orlando, relator do texto, mas sofreu resistência das bancadas bolsonaristas e religiosas.

O PL cria a Lei Brasileira de Liberdade, Responsabilidade e Transparência na Internet. Em linhas gerais, o texto determina que empresas do ramo da tecnologia sejam obrigadas a seguir normas para evitar o compartilhamento de discursos de ódio e informações falsas na internet.

Além disso, o projeto busca exigir que as plataformas divulguem relatórios de transparência e sejam responsabilizadas por danos oriundos de publicações realizadas nas redes.

Por falta de acordo com bolsonaristas e intenso lobby das big techs, o projeto foi escanteado durante o segundo semestre do ano, mesmo após ter urgência aprovada.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Bolsonaro já está em São Paulo para ato na Paulista no domingo

Ex-presidente toma café da manhã com apoiadores na capital;...

Ministros do STF estarão atentos a ato de Bolsonaro em São Paulo

Os ministros do Supremo Tribunal Federal se comprometeram a acompanhar o ato de Jair...

Buscas por fugitivos de penitenciária federal de Mossoró chegam ao 11º dia

As buscas pelos dois detentos que fugiram da Penitenciária Federal de Mossoró, no Rio...

CEO da Vale diz confiar no conselho para decidir nova gestão

Recondução de Eduardo Bartolomeo à presidência da mineradora é impasse no colegiado; mandato vai...

Mais para você