InícioNotíciasPolíticaSteven Levitsky: “Os cosmopolita-etnonacionalistas” (Miguel Jiménez)

Steven Levitsky: “Os cosmopolita-etnonacionalistas” (Miguel Jiménez)

Quando o cientista político Steven Levitsky (Ithaca, Nova York, 1968) começou a analisar como as democracias eram destruídas, nunca pensou que o objeto de seu estudo acabaria sendo os Estados Unidos. Especializou-se em regimes autoritários competitivos, especialmente na América Latina, onde há eleições, mas não uma verdadeira democracia (Venezuela de Hugo Chávez, Peru de Alberto Fujimori,) onde a democracia não morreu por um golpe de Estado, com tanques nas ruas, mas foi destruída por dentro, por políticos que venceram as eleições. De repente, em Trump e grandes setores do Partido Republicano, ele identificou os padrões de populismo autoritário que tanto tinha estudado.

O seu influente livro “Como morrem as democracias”, de 2018, escrito com Daniel Ziblatt, como ele professor de Ciência Política na Universidade de Harvard, alertou para o risco da democracia na presidência de Trump. A sua tese foi confirmada com o assalto ao Capitólio em 6 de janeiro de 2021 , ponto de partida do seu novo livro, “A ditadura da minoria”. No novo trabalho, mais centrado no caso americano, Levitsky e Ziblatt descrevem os males que afligem o sistema, denunciam que o Partido Republicano abandonou a democracia e propõem reformas para melhorar o seu funcionamento.

Levitsky concedeu esta entrevista em seu escritório no Centro de Estudos Latino-Americanos da Universidade de Harvard, no meio da temporada de formatura. Nela, ele destaca que os Estados Unidos são uma democracia doente, cujo futuro está em jogo nas eleições presidenciais de novembro . Trump, adverte Levitsky, tem uma mensagem mais autoritária do que a exibida por Chávez, Orbán ou Erdogan.

Pergunta – Estará a democracia dos EUA em jogo nas eleições de novembro?

Resposta – Sem dúvida. Não creio que o país esteja caminhando para um autoritarismo ao estilo russo. As forças da oposição, os anticorpos democráticos nos Estados Unidos, são demasiado fortes, pelo menos a médio prazo. Pelo contrário, seria um período de crise rumo a um regime híbrido, a um autoritarismo competitivo, em que há abusos de poder, pode haver um certo nível de repressão ou ataques contra os meios de comunicação e contra os opositores, e uma certa violência. Trump deixou claro que está disposto a violar as regras básicas da democracia , e o Partido Republicano mostrou que está totalmente disposto a apoiá-lo no seu autoritarismo.

Trump está em campanha com mensagens como a de que será um ditador, falou de vingança política, refere-se aos imigrantes como vermes que contaminam o sangue dos americanos. Ele sempre demonstrou tendências autoritárias. Comparo a sua visão do Estado com a de alguns ditadores da América Central e do Caribe em meados do século XX, como Somoza ou Trujillo. Ele acredita que cada instituição é para fins pessoais, que o Estado é isso. Você nunca deveria eleger alguém com um discurso como esse. O que mais me preocupa é o que isso poderia fazer aos imigrantes. Ele falou sobre usar o Exército e criar campos de concentração. Você afirma que nem mesmo alguns ditadores ousariam dizer qualquer uma das coisas que Trump diz. Estou tentando encontrar um candidato do pós-guerra com mensagens tão abertamente autoritárias quanto as dele. Diz que vai usar o Estado para perseguir os seus rivais, algo que Chávez, Erdogan ou Orbán não disseram. Que vai tentar fechar os meios de comunicação da oposição, que vai usar o Exército para reprimir manifestações. Nos últimos 50 anos, é muito raro um candidato ser tão abertamente autoritário. Mas não estamos levando isso muito a sério. Por quê? Quando foi eleito, alguns de nós dissemos que ele era um perigo, mas Trump ainda não tinha feito nada e era compreensível que não se levasse ele muito a sério. Mas desde 2020 é impossível ignorar o seu autoritarismo. Muitos concluem que o sistema funcionou e que Trump deixou o poder, pensam que ele não pode realmente matar a democracia. Por outro lado, acredito que o compromisso democrático dos americanos não é tão profundo como acreditamos. A prova são os empresários. No dia 7 de janeiro de 2021 disseram que nunca financiariam ou apoiariam alguém como Trump, hoje estão lhe dando dinheiro, caso ele ganhe. Nos anos sessenta houve mais violência política, mas a democracia não estava em perigo. Foi diferente. Depois atravessámos uma época de mais violência, de mais terrorismo político do que agora, mas a violência e as forças extremistas estavam fora do sistema partidário. Os dois partidos  (Democratas e Republicanos) estavam mais ou menos no centro político. Hoje, a violência, em vez de estar fora do sistema partidário, está dentro dele. E os dois partidos estão muito polarizados, o que é mais perigoso. Não quero exagerar, mas é semelhante à violência que existia na Espanha na década de 1930. Muitas vezes,a violência ali tinha objetivos partidários, políticos e ideológicos, e os extremistas tinham aliados dentro do sistema, no Governo e nos partidos. No seu novo livro você explica que a Constituição dos EUA, tão admirada, agora também faz parte do problema. Temos uma Constituição muito antiga, que tem tido muito sucesso, com dois séculos de estabilidade e crescimento económico. Mas é do século XVIII, de uma era pré-democrática, quando ninguém, nenhuma elite, em nenhum país, acreditava na democracia. Em 1787, a Constituição era muito progressista, avançada e democrática em comparação com a Europa. Mas durante os séculos XIX e XX, outros países têm vindo a reformar os seus sistemas políticos e a democratizá-los. Nos Estados Unidos é muito difícil reformar a Constituição por vários motivos: temos quase um casamento com ela, um apego que a transformou em algo quase bíblico, que não pode ser tocado porque foi escrito pelos pais fundadores do país. E dada a dificuldade de reformá-lo, estamos cada vez mais atrasados em relação a outros países. Ainda temos instituições contra majoritárias que permitem que as minorias políticas vetem políticas apoiadas pelas maiorias ou governem as maiorias. Éramos a democracia mais democrática e hoje temos uma das mais contra majoritárias do planeta. Leia mais em https://elpais.com/ideas/2024-05-25/steven-levitsky-el-eje-ya-no-es-izquierda-derecha-sino-cosmopolitas-etnonacionalistas.html

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Damares quer youtuber petista no inquérito de milícias digitais

Senadora envia pedido para Moraes com base em reportagem que afirma que Thiago dos...

Prefeitura convida cidadãos para inauguração de chafariz no Kaikan Sul nesta quinta (13)

A Prefeitura Municipal de Teixeira de Freitas convida os cidadãos para a inauguração de...

Jean Wyllys diz que Grazi Massafera só existe porque ele estava no BBB

Jean Wyllys foi o campeão do BBB 5, ao desbancar Grazi Massafera na final...

Aluguel de loja e buraco na parede: como bando furtou 100 armas no DF

As investigações da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) revelaram que os criminosos responsáveis...

Mais para você