InícioEntretenimentoCelebridadeThe Best: Messi é eleito o melhor jogador do mundo pela 7ª...

The Best: Messi é eleito o melhor jogador do mundo pela 7ª vez

Lionel Messi foi eleito pela sétima vez o melhor jogador do mundo nesta segunda-feira (27). Em cerimônia realizada em Paris, na França, o craque argentino superou os franceses Kylian Mbappé e Karim Benzema para levar o The Best, premiação da Fifa que não ganhava desde 2019. O evento voltou a acontecer presencialmente após anos em razão das medidas sanitárias decorrentes da pandemia de covid.

Ao contrário da Bola de Ouro, da revista France Football, o The Best considera o desempenho de cada jogador durante a temporada europeia, neste caso de 8 de agosto de 2021 a 18 de dezembro de 2022, data da final da Copa do Mundo do Catar.

Messi foi escolhido por técnicos e capitães de todas as 211 seleções filiadas à Fifa, além de jornalistas especializados de cada um desses países e torcedores de todo mundo cadastrados no site da Fifa, que votaram entre 12 de janeiro e 3 de fevereiro.

A ampliação do período de avaliação foi determinante para a vitória de Messi, que fez o melhor de seus Mundiais em sua quinta participação aos 35 anos e conduziu a Argentina à glória eterna com atuações de protagonismo que ainda não havia tido em Copas. Saíram de seus pés na campanha do tri da Alviceleste sete gols e três assistências.

Considerado por alguns o maior jogador da história, maior até mesmo que Pelé, Messi alcançou a taça com que tanto sonhou no jogo derradeiro da competição mais importante de futebol.

No PSG, Messi não foi brilhante, mas contribuiu com os títulos do Campeonato Francês 2021/22 e da Supercopa da França 2022. No período compreendido da premiação, o argentino marcou 45 gols, deu 34 assistências em 74 jogos e conquistou quatro títulos.

Ele já havia conquistado o prêmio da Fifa seis vezes, em 2009, 2010, 2011, 2012, 2015 e 2019. Com mais um troféu, se isola como o atleta mais vezes eleito o melhor jogador do mundo. Cristiano Ronaldo é o segundo maior vencedor. O astro português já ganhou a honraria cinco vezes: em 2008, 2013, 2014, 2016 e 2017.

Benzema e Mbappé continuam sem ganhar a honraria da Fifa. O atacante do Real Madrid, porém, levou a Bola de Ouro ano passado pelas suas atuações de destaque na Liga dos Campeões 2021/2022, vencida pelo gigante espanhol pela 14ª vez. Machucado, ele não jogou a Copa.

Mbappé foi artilheiro do Mundial do Catar, com oito gols, três deles na final, mas sua França foi superada pela Argentina de Messi nos pênaltis.

Benzema, aliás, bem como os seus colegas de Real Madrid, não foi à cerimônia como retaliação do clube pela ausência do brasileiro na lista dos 26 melhores jogador do mundo elaborada pela Fifa. O clube só enviou o diretor de relações institucionais ao evento.

O Brasil perdeu o Puskás, com Richarlison, mas foi representado por Casemiro na seleção masculina da temporada (Fifpro). O time foi formado por Courtouis; Hakimi, Van Dijk e João Cancelo; Casemiro, De Bruyne e Modric; Messi, Mbappé, Benzema e Haaland.

Noite argentina
A premiação foi dominada por argentinos. Não foi só Messi que festejou. Lionel Scaloni, jovem treinador de 44 anos responsável pela “Scaloneta” desbancou os renomados Pep Guardiola (Manchester City) e Carlo Ancelotti (Real Madrid) e ganhou entre os técnicos.

O provocador Emiliano “Dibu” Martínez levou a melhor sobre o marroquino Yassine Bounou e o francês Thibaut Courtois foi escolhido o melhor goleiro do mundo. Tanto Scaloni como Dibu tiveram participação fundamental para o tri da Argentina no Catar. A Copa do Mundo, logo, teve considerável peso na premiação.

“Meus pais são meus grandes ídolos. Quando me perguntam sobre em que goleiro me inspiro, lembro da minha mãe fazendo faxina”, disse o goleiro argentino, protagonista de uma história de superação. Ele quase desistiu do futebol.

Ex-auxiliar de Sampaoli, Scaloni reconstruiu uma combalida seleção argentina, campeão da Copa América em cima do Brasil em 2021 e de uma Copa do Mundo histórica no Catar em 2022. “Agradeço os 26 jogadores que nos levaram à glória. Sou eternamente grato a eles. Não há nada mais bonito que ver as pessoas de seu país emocionadas nas ruas, comemorando”, disse o treinador. “Jogamos por eles. Temos essa gratidão eterna e dedicamos a eles esse prêmio”.

Até mesmo a torcida argentina foi premiada em Paris. Os “hinchas” ganharam na categoria Fan Award pela festa nas arquibancadas dos estádios e nas ruas do Catar durante a Copa do Mundo. Os torcedores levaram para o Oriente Médio o clima de Libertadores e foram essenciais para o tricampeonato da Argentina. “Muchachos, ahora nos volvimos a ilusionar” (“Rapazes, voltamos a sonhar”), música mais famosa do grupo musical “La Mosca”, foi adaptada e embalou a seleção alviceleste na jornada bem-sucedida no Catar.

O grupo de milhares de argentinos que foram ao Catar foi representada na premiação por um veterano torcedor, Carlos “Tula” Pascual, que levou instrumentos e tocou até bumbo depois de um longo discurso.

O prêmio Fair Play foi dado para Luka Lochoshvili, zagueiro georgiano da Cremonese, da Itália, que ajudou a salvar a vida de um adversário dentro de campo.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Bolsonaro ironiza suposta atuação de ex-tesoureiro do PT na Petrobras

Segundo reportagem, indicações para a estatal estariam passando por João Vaccari Neto, preso pela...

Detalhe de foto de William com os filhos chama a atenção; entenda

Em homenagem ao Dia dos Pais, comemorado nesse domingo (16/6) no Reino Unido, os...

Mansão de Anitta foi cenário de novela da Globo; saiba valor do imóvel

Reprodução/Instagram 1 de 1 Foto colorida de Anitta - Metrópoles ...

Mais para você