InícioNotíciasPolíticaZelensky sobre Lula: “Como se pode priorizar aliança com um agressor?”

Zelensky sobre Lula: “Como se pode priorizar aliança com um agressor?”

Durante um encontro com jornalistas latino-americanos em Kiev, na Ucrânia, o presidente do país, Volodymyr Zelensky, voltou a mostrar uma posição crítica sobre a relação entre Rússia e Brasil. E questiona os posicionamentos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva diante da gestão de Vladimir Putin.

“Como se pode priorizar a aliança com um agressor?”, perguntou, retoricamente.

O ucraniano segue tentando apoio internacional diante da invasão russa ao país. E sabe que ter o Brasil a seu lado teria um peso enorme.

3 Cards_Galeria_de_Fotos

Volodymyr Olexandrovytch Zelensky dominou os noticiários mundiais devido ao conflito entre Rússia e Ucrânia. Ator, comediante, roteirista e produtor, Zelensky é também presidente do país ucraniano desde 2019 NurPhoto /Guetty Images

***foto-Volodymyr-Zelensky-presidente-da-ucrania-1.jpg

Filho de pais judeus, Volodymyr iniciou na carreira artística aos 17 anos. Formado em direito pela Universidade Nacional Econômica de Kiev, Zelensky nunca chegou a atuar na área. Apesar de ter discurso forte e boa atuação no centro de conflitos, o atual presidente ficou conhecido pelo povo ucraniano após interpretar o personagem principal da série Servo do Povo NurPhoto /Guetty Images

***foto-Volodymyr-Zelensky-presidente-da-ucrania-1.jpg

No programa ucraniano de sátira, Volodymyr interpretava um professor de história, com cerca de 30 anos, grosso e revoltado, e se tornou viral após fazer um vídeo contra a corrupção Anna Moneymaker /Guetty Images

***foto-Volodymyr-Zelensky-presidente-da-ucrania-1.jpg

O personagem, portanto, acabou se transportando para a realidade. Nas eleições da Ucrânia, o comediante recebeu 73% dos votos no segundo turno. Ele derrotou o então presidente, Petro Poroshenko Anna Moneymaker /Guetty Images

***foto-Volodymyr-Zelensky-presidente-da-ucrania-1.jpg

Inclusive, o partido político de Zelensky foi criado com base no programa de TV Servo do Povo. Durante a corrida presidencial, no entanto, o bacharel em direito foi visto com descaso pela oposição e com desconfiança no cenário internacional devido à sua origem fora da política Chris McGrath /Guetty Images

***foto-Volodymyr-Zelensky-presidente-da-ucrania-1.jpg

Surpreendendo a todos, ao assumir o governo do país, ele realizou mudanças inesperadas. Dissolveu o parlamento e prometeu manter o diálogo com a Rússia a fim de resolver os conflitos separatistas Pool /Guetty Images

***foto-Volodymyr-Zelensky-presidente-da-ucrania-1.jpg

Casado com Olena Zelensky e pais de dois filhos, atualmente Volodymyr está no centro da crise mundial Pool /Guetty Images

***foto-Volodymyr-Zelensky-presidente-da-ucrania-1.jpg

Em 24 de fevereiro, colocou a Ucrânia sob lei marcial, que suspende uma série de direitos e dá mais poder ao governo para tomar decisões emergenciais exigidas por uma situação como a invasão de um país. Ele também anunciou uma coalizão militar internacional contra o presidente Vladimir Putin, após a Rússia invadir o país do Leste Europeu Pool /Guetty Images

***foto-Volodymyr-Zelensky-presidente-da-ucrania-1.jpg

“Para defender a nossa soberania, cada cidadão da Ucrânia deve decidir o futuro de nosso povo. Qualquer pessoa com experiência militar que puder ajudar na defesa da Ucrânia deve se reportar aos postos militares”, ordenou Pool /Guetty Images

***foto-Volodymyr-Zelensky-presidente-da-ucrania-1.jpg

Apesar da falta de experiência, Zelensky conquistou o respeito da maior parte do povo ucraniano e dos demais administradores do país Pool /Guetty Images

“O Brasil deve estar do nosso lado e dar um ultimato ao agressor. Por que temos de voltar a repetir estas coisas? Pela memória histórica, por temas econômicos? A economia é importante até que chega uma guerra, e quando a guerra chega os valores mudam”, afirmou, em conversa reproduzida pelo O Globo.

Para o presidente ucraniano, esses “valores” não podem mais permenecer durante uma guerra. “Pesam mais as crianças, a família, a vida, só depois está o comércio com a Federação Russa”, continuou.

Zelensky fala de cúpula de paz O ucraniano dispara sua metralhadora verbal ao lembrar que não há a confirmação do Brasil em uma cúpula de paz que será realizada em junho na Suíça. Os brasileiros explicam que qualquer conversa sobre o fim da guerra precisa ter a participação russa.

“A última sinalização é de que Brasil e China estariam dispostos a participar se a Rússia participar [da cúpula]. Mas a Rússia nos atacou. Por acaso o Brasil está mais próximo da Rússia do que da Ucrânia? A Rússia é hoje um país terrorista”, atira.

E não para de criticar a aliança Brasil-Rússia. Para ele, Lula deveria se preocupar muito mais com os países latino-americanos e que um bloco forte por aqui seria mais importante para o governo brasileiro do que qualquer relação com os russos.

“Não tive uma declaração conjunta com o presidente Lula, ou entre Ucrânia e Brasil… por que é assim, se nós somos os atacados?”, continua a questionar. Por fim, a primeira-dama Olena, presente no encontro, faz um convite direto: “Convido o presidente Lula para que participe da cúpula da paz [na Suíça]. Seria uma oportunidade de renovar relações acidentadas”.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Mansão de Anitta foi cenário de novela da Globo; saiba valor do imóvel

Reprodução/Instagram 1 de 1 Foto colorida de Anitta - Metrópoles ...

Marcha da Maconha acontece neste domingo em São Paulo

Neste domingo (16), acontece a Marcha da Maconha 2024. Pela primeira vez em um...

Governo estuda unificar benefícios trabalhistas para cortar gastos

Proposta foi colocada na mesa dentre as opções para diminuir as despesas; a junção...

Mais para você