InícioEditorialPolítica Nacional7 vereadores dizem tirar assinatura em apoio à CPI das ONGS

7 vereadores dizem tirar assinatura em apoio à CPI das ONGS

Até a noite de 6ª feira (5.jan), 4 formalizaram a retirada; comissão corre risco de não ter signatários suficientes até o fim do recesso

O padre Júlio Lancellotti é alvo da CPI na Câmara dos Vereadores de São Paulo pela sua atuação na região da Cracolândia Wikipedia Commons

Luciana Saravia 5.jan.2024 (sexta-feira) – 22h50

Vereadores de São Paulo retiraram o apoio à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) das ONGs que tinha como um dos alvos o padre Júlio Lancellotti. Eles foram criticados pelo apoio à proposta do vereador Rubinho Nunes. Até a noite desta 6ª feira (5.jan.2023), pelo menos 7 vereadores recuaram no apoio à CPI, mas somente 4 têm o requerimento protocolado no SPLegis (Sistema do Processo Legislativo da Câmara Municipal de São Paulo). 

Apesar do requerimento não citar nominalmente o líder religioso, o autor do requerimento, Rubinho Nunes, publicou acusações contra o padre, dizendo que ele “explora a miséria no centro de São Paulo para fazer da miséria a sua militância política”. Muitos assinantes da proposta se dizem “enganados” por Rubinho e outros declararam que seu apoio à CPI se dá justamente por não citar pessoas ou instituições específicas.

Em um levantamento feito pelo Poder360, 24 vereadores assinaram o requerimento, mas somente 22 tiveram as assinaturas reconhecidas pela reportagem. Se ao menos 6 deles formalizarem a intenção, a CPI passa a não ter o pedido mínimo necessário para ser votada no plenário.

Leia a lista de vereadores de SP que apoiaram a abertura da CPI das ONGs:

Adilson Amadeu (União Brasil); Beto do Social (PSDB); Atílio Francisco (Republicanos); Fabio Riva (PSDB); Fernando Holiday (PL); Gilson Barreto (PSDB); Isac Félix (PL); João Jorge (PSDB); Jorge Wilson Filho (Republicanos); Major Palumbo (PP); Milton Ferreira (Pode); Manoel del Rio (PT); Marlon do Uber (MDB); Nunes Peixeiro (MDB); Rodrigo Goulart (PSD); Rubinho Nunes (União Brasil); Rute Costa (PSDB); Sandra Tadeu (União Brasil); Sansão Pereira (Republicanos); Sidney Cruz (Solidariedade); Thammy Miranda (PL); Xexéu Tripoli (PSDB). Desses integrantes da Câmara Municipal de São Paulo, Beto da Social, Fábio Riva, João Jorge, Jorge Wilson Filho, Milton Ferreira, Manoel del Rio, Nunes Peixeiro, Sandra Tadeu, Sidney Cruz, Thammy Miranda e Xexéu Tripoli manifestaram publicamente serem contrários à vinculação das investigações ao trabalho de Júlio Lancellotti. Deles, 7 disseram ter a intenção de protocolar o pedido de retirada da assinatura.

Até a noite de 5 de janeiro, 4 vereadores formalizaram a retirada da assinatura que apoiava a abertura da comissão: Manoel del Rio (que disse ter assinado por equívoco), Xexéu Tripoli, Thammy Miranda e Sidney Cruz. Eis as íntegras aqui (PDF – 809 kB), aqui (PDF – 3 MB), aqui (PDF – 1 MB), e aqui (PDF – 1 MB).

O pedido precisa de, pelo menos, 19 assinaturas–o equivalente a 1/3 do total de vereadores. A proposta ainda deve passar pelo plenário (ser aprovada por 28 votos em 2 turnos para ter a comissão instaurada).

Ao Poder360, o vereador Beto da Social disse que assinou o requerimento sem citação direta ao padre Lancellotti, que a premissa à qual concordou foi “desvirtuada” e que já acionou os protocolos para retirada da sua assinatura.

Fernando Holiday disse que mantém a assinatura em favor da CPI por ela “investigar a suspeita de que ONGs estariam alimentando o tráfico na região”.

Nas redes sociais, alguns vereadores assinantes comentaram sobre CPI das ONGs e sua participação no requerimento. 

Leia as manifestações:

Beto do Social (PSDB) Fabio Riva (PSDB) João Jorge (PSDB): Jorge Wilson Filho (Republicanos):   Major Palumbo (Progressistas): Manoel del Rio (PT): Milton Ferreria (Podemos):

Nunes Peixeiro (MDB): Sansão Pereira (Republicanos): Thammy Miranda (PL): Xexéu Tripoli (PSDB): O secretário de Assistência e Desenvolvimento Social de São Paulo, Carlos Bezerra Jr., disse que não apoia a investigação do padre: “Por 2 motivos muito simples: o padre não recebe nenhum recurso público para fazer o que ele faz há anos. E não há absolutamente nenhuma denúncia contra ele que justifique qualquer CPI ou oitiva com ele”.

Ao mesmo tempo, entidades do governo saíram em defesa do padre. A Arquidiocese de São Paulo disse estar “perplexa” com a iniciativa dos deputados.

O padre Júlio Lancellotti disse que a criminalização de pessoas, movimentos e entidades “é uma forma de não enfrentar com clareza e profundidade a questão que está em foco na Cracolândia”.

O Poder360 entrou em contato com as assessorias de todos os assinantes identificados pela reportagem, mas só obteve retorno de Beto da Social e Fernando Holiday até a publicação desta reportagem. 

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Fórum E-Commerce Brasil traz melhores práticas para alavancar vendas

A facilidade de comprar pela internet tem impactado no comportamento dos consumidores. Em 2023,...

O Instagram como máquina de dinheiro: Neymar lucra milhões com publicidades na plataforma

  Lançado em 2010, o Instagram rapidamente se transformou em uma das redes sociais mais...

Mais democratas dizem estar preocupados com candidatura de Biden

Segundo o “Washington Post”, líderes do Congresso teriam conversado com o presidente dos EUA...

“Abin paralela”: depoimento de Ramagem na PF dura quase 7 horas

O depoimento do deputado Alexandre Ramagem (PL-RJ) na Polícia Federal, (PF) no Rio de...

Mais para você