InícioEditorialPolítica NacionalApós doação da Alemanha, Governo Federal quer ampliar economia verde na Amazônia

Após doação da Alemanha, Governo Federal quer ampliar economia verde na Amazônia

Prioridade da atual administração, o tema foi discutido com o chanceler alemão, Olaf Scholz, que fez uma visita oficial ao Brasil nesta semana

PAULO PINTO/ESTADÃO CONTEÚDO

Amazônia está no centro das prioridades do novo governo

De olho na retomada das doações ao Fundo Amazônia e na discussão dos créditos de carbono, o Governo Federal avalia que é possível criar uma economia verde e sem poluição na Amazônia. Nesta semana, o tema foi discutido com o chanceler alemão, Olaf Scholz, que fez uma visita oficial ao Brasil. Essa é uma das prioridades da atual administração, que quer parcerias com outros países para garantir a preservação da floresta sem abrir mão, no entanto, da soberania sobre a Amazônia. O presidente Lula (PT) afirma que não é preciso desmatar para garantir fontes de renda à população local e defende a recuperação de áreas degradadas pela agricultura e pecuária: “Eu disse textualmente, para eles compreenderem que nós não queremos transformar a Amazônia em um santuário da humanidade. Ali moram mais de 25 milhões de pessoas. O que nós queremos é fazer com que a Amazônia seja pesquisada por quem entende, que a gente possa utilizar a biodiversidade para criar emprego para aquele povo, que a gente possa cobrar dos países ricos o tal do crédito de carbono, que tanto se fala e pouco aparece”.

O país há anos briga para que sejam definidas regras para o pagamento de cerca de US$ 100 bilhões (R$ 507 bilhões) prometidos às nações em desenvolvimento. O Brasil pleiteia pelo menos US$ 10 bilhões em financiamentos externos. Os créditos de carbono são devidos aos países que reduzem a emissão dos chamados gases do efeito estufa. Por serem poluidores, os países ricos acabam se comprometendo a pagar pelas emissões locais, o que na prática ainda não saiu do papel. O presidente Lula, que é visto com certo receio pelos investidores do mercado financeiro, voltou a reafirmar que o governo tem responsabilidade fiscal: “Eu sou uma pessoa que defende muito a estabilidade econômica. Eu quero seriedade fiscal, mas eu quero seriedade política, eu quero seriedade social. É verdade que nós temos muitas dívidas para pagar, mas a dívida que é impagável há cinco séculos é a dívida social contraída com o povo brasileiro. Não é possível que um país que é o terceiro produtor de alimentos do mundo, o primeiro produtor de proteína animal do mundo, um país que tem 8,5 milhões de quilômetros quadrados, um país que tem 8 mil quilômetros de fronteira marítima, ter gente passando fome”.

O governo voltou a se comprometer também com o reajuste real do salário mínimo e justifica que neste ano a discussão foi travada justamente por ser o início da nova administração, com orçamento do governo anterior. Para os próximos anos, a promessa é retomar a política de valorização do salário mínimo. Nesta terça-feira, 31, em uma solenidade no Palácio do Planalto, Lula assinou dois decretos criando o Conselho de Participação Social e o Sistema de Participação Social Interministerial. O grupo deverá se reunir a cada três meses para discutir as principais diretrizes do governo e criar uma ponte entre os ministérios e as demandas dos movimentos sociais.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Sarney reúne do governo à oposição para comemorar 94 anos

Ex-presidente recebeu convidados em sua casa para festa de aniversário em Brasília e mostrou...

Cartões de confirmação do CNU, com locais de prova, saem nesta quinta

O governo federal disponibiliza, a partir das 10h desta quinta-feira (25/4), o cartão de...

Apostas em corte de 0,25 ponto percentual da Selic batem novo recorde

As apostas dos investidores num corte de 0,25 ponto percentual da taxa básica de...

Mais para você