InícioEditorialPolítica NacionalAta do Copom indica redução no ritmo de corte dos juros

Ata do Copom indica redução no ritmo de corte dos juros

BC diz que o cenário de desinflação está mais incerto por causa da atividade econômica resiliente nos EUA

Fachada do Banco Central, em Brasília Sérgio Lima/Poder360 – 9.fev.2022

Hamilton Ferrari 26.mar.2024 (terça-feira) – 8h33

O Copom (Comitê de Política Monetária) indicou que, depois do próximo corte de 0,5 ponto percentual na taxa básica, a Selic, deverá começar a reduzir o ritmo de redução do juro base. Indicou que a taxa irá para 10,25% ao ano em maio e que a diminuição será menor a partir de junho. As informações constam na ata do Copom.

“Alguns membros argumentaram ainda que, se a incerteza prospectiva permanecer elevada no futuro, um ritmo mais lento de distensão monetária pode revelar-se apropriado, para qualquer taxa terminal que se deseje atingir”, disse a autoridade monetária no comunicado. Eis a íntegra do texto (PDF – 114 kB).

A autoridade monetária indicou que as quedas podem ser menores ou sequer existirem nos encontros seguintes. O comunicado publicado pelo BC (Banco Central) fala em “elevação da incerteza”. 

O Copom reduziu por unanimidade o patamar do juro base de 11,25% ao ano para 10,75% ao ano na 4ª feira (20.mar). A taxa atingiu o menor nível desde março de 2022, quando estava no mesmo patamar. 

Leia abaixo o histórico da Selic:

A razão pela manutenção da taxa em patamares mais elevados é o controle da inflação. O crédito mais caro desacelera o consumo e a produção. Como consequência, os preços tendem a não aumentar de forma tão rápida.

Espera-se que mercado financeiro se organize para ao menos diminuir o fluxo da migração para fundos mais voláteis com a indicação de desaceleração nos cortes. Ao mesmo tempo, os títulos ligados à taxa básica serão valorizados.

Do lado político, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e seus aliados devem intensificar ainda mais as críticas ao Banco Central e ao presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto. 

O petista e seus apoiadores reclamam dos patamares da taxa mesmo com os cortes graduais. Dizem não haver necessidade de mais controle da inflação. Com o anúncio do fim dos cortes, os bombardeios do governo virão em um fluxo ainda maior.

Desde que assumiu o Planalto em 2023, Lula critica o patamar elevado dos juros. As críticas continuaram mesmo depois do início dos cortes na Selic. O presidente disse em 11 de março que Campos Neto contribui para um “atraso monetário” no Brasil. 

“Não tem nenhuma explicação os juros da taxa Selic estarem a 11,25%. Não existe nenhuma explicação econômica, nenhuma explicação inflacionária. Não existe nada a não ser a teimosia do presidente do Banco Central em manter essa taxa de juros”, declarou Lula em entrevista ao SBT. 

O petista argumenta que o país precisa de juros mais baixo para que a economia se mova de forma mais intensa.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, também fez um apelo ao Banco Central. Na 3ª feira (19.mar), véspera da definição da taxa, ele defendeu que a autoridade “olhe para as necessidades de crescimento do país, enquanto cumpre a sua missão institucional de controlar a inflação”.

Sobre a inflação, Haddad declarou o seguinte: “Mais uma vez, o presidente Lula demonstra seu compromisso com a estabilidade de preços ao já no seu 1º ano garantir a convergência para o centro da meta”.

QUEDAS NA SELIC A última vez que o juro base ficou abaixo de 10,75% ao ano foi em fevereiro de 2022, quando estava em 9,75%. A decisão se deu por unanimidade no Copom, formado por 8 diretores e o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. O colegiado cortou a Selic em meio ponto percentual pela 6ª vez consecutiva.

Antes do início do ciclo de cortes, o juro base estava em 13,75%, em agosto de 2023. O Banco Central deixou a Selic neste patamar por 1 ano. 

Medida oficialmente pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), a taxa acumulada da inflação em 12 meses caiu de 4,51% para 4,50% em fevereiro. 

A meta de inflação do Brasil em 2024 é de 3%, mas tem intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima e para baixo. Portanto, ainda será considerado dentro da meta caso o indicador fique no intervalo de 1,5% a 4,5%.

O Brasil terminou 2023 com uma taxa de 4,62%, dentro da meta. Para 2024, os agentes do mercado financeiro estimam inflação de 3,79%, segundo o Boletim Focus. 

POLÍTICA MONETÁRIA A taxa Selic recuou 3 pontos percentuais desde o início do ciclo de cortes. Relembre os cortes anunciados pelo BC nas últimas 5 reuniões:

agosto de 2023 – corte de 13,75% para 13,25%; setembro de 2023 – corte de 13,25% para 12,75%; novembro de 2023 – corte de 12,75% para 12,25%; dezembro de 2023 – corte de 12,25% para 11,75%; janeiro de 2024 – corte de 11,75% para 11,25%. março de 2024 – corte de 11,25% para 10,75%. 

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Cartões de confirmação do CNU, com locais de prova, saem nesta quinta

O governo federal disponibiliza, a partir das 10h desta quinta-feira (25/4), o cartão de...

Apostas em corte de 0,25 ponto percentual da Selic batem novo recorde

As apostas dos investidores num corte de 0,25 ponto percentual da taxa básica de...

Zona Franca de Manaus mantém benefícios fiscais com reforma tributária

Proposta de regulamentação da reforma tributária dá incentivos para a produção industrial e para...

Governo consegue adiar sessão sobre derrubada de vetos de Lula, evita derrotas e contraria Lira

Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira...

Mais para você