InícioEntretenimentoCelebridadeCreed III mantém qualidade da franquia e tem Michael B. Jordan dirigindo

Creed III mantém qualidade da franquia e tem Michael B. Jordan dirigindo

Há muito tempo, ouve-se a máxima de que sempre o primeiro filme é o melhor de uma franquia e que, daí por diante, é tudo caça-níquel. Talvez, a única exceção seja o caso da trilogia O Poderoso Chefão, em que o segundo filme é apontado como melhor que o primeiro, quase unanimemente. E,se você pensar bem, talvez encontre um ou outro exemplo. Mas o fato é que isso é bem raro, afinal, a tendência é que a originalidade vá se esgotando à medida que novos filmes são produzidos.

Mas Creed, que tem Michael B. Jordan como o boxeador Adonis, parece tem tudo para contrariar a tese citada no início do texto. Se este terceiro filme – que estreia hoje nos cinemas – não supera os outros, consegue, no mínimo, manter a qualidade dos seus antecessores. Na sessão para a imprensa, a que o CORREIO foi, houve alguns comentários dando conta de que trata-se do melhor filme da nova franquia que teve início em 2015. 

Jonathan Majors é o antagonista Damian

E isso não aconteceu, diga-se, com a franquia orginal Rocky, que rendeu Creed como derivado. A história do boxeador lançada em 1976 deu origem a sequências quase sempre dispensáveis, com uma ou outra exceção. E já parecia ter se esgotado quando veio o primeiro filme sobre o filho de Apollo e reergueu muito dignamente a carreira de Stallone.

E Creed chega à terceira parte sem sofrer grandes danos. Talvez, por causa de uma novidade surpreendentemente positiva: a estreia de Michael B. Jordan na direção. Não é todo mundo que se arrisca a atuar e dirigir ao mesmo tempo e Jordan consegue fazer isso incrivelmente bem. 

E, além disso, em vez de aproveitar a direção para jogar holofotes sobre si mesmo, ele deixa o antagonista brilhar à vontade. Jonathan Majors se sai muito bem como o Damian, o amigo de infância de Creed, que, mais tarde, se torna adversário do personagem-título. A relação entre os dois é o mote do filme, cujo roteiro acerta em ter o boxe e as lutas como pano de fundo para uma boa história dramática. 

Tem clichês? Ora, e como tem! Cenas de treino já conhecidas, lições de superação, frases de efeito… mas tem muita coisa que compensa isso, especialmente a maneira como se constrói a relação entre Damian e Adonis, cheia de tensão, especialmente pelo passado. Damian passou 18 anos preso depois de se envolver em uma briga para defender o amigo. Atrás das grades, jamais teve a atenção do boxeador, que, livre, esbaldava-se na glória, fama e muito dinheiro.

Enquanto Adonis já está aposentado dos ringues e se consagrou como campeão do mundo, o amigo Damian é um pugilista frustrado. A carreira, que era promissora para o ex-presidiário, foi interrompida e não há como descartar a culpa de Adonis por isso, afinal, foi por defender amigo que Damian foi preso. Em resumo: de um lado, um sente ódio; do outro lado, o outro sente culpa. E como será que eles vão resolver isso? Na conversa, claro, como pede o bom senso e dois adultos maduros devem fazer? Ora, claro que não: a parada vai ser resolvida no ringue, numa boa luta.

Em cartaz no Cinemark Salvador Shopping; Cinepólis Bela Vista; Cinépolis Parque Shopping Bahia; Cinépolis Salvador Norte; Metha Glauber Rocha; UCI Shopping Barra; UCI Shopping da Bahia e UCI Shopping Paralela


 

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Mobilização indígena em Brasília vai pressionar contra o marco temporal

Acampamento Terra Livre deve durar 5 dias e organização espera reunir mais de 6...

Monitor da USP diz que ato de Bolsonaro em Copacabana reuniu 32,7 mil pessoas

Foto: Saulo Angelo/Thenews2/Folhapress Ato de Bolsonaro no Rio de Janeiro 21 de abril de...

Destruição da Amazônia reduz etnia Akuntsu a apenas 3 mulheres

A pressão ao longo de décadas de colonizadores e desmatadores reduziu uma das pouco...

Fiscalização da Lei Seca flagra ‘fadas’ cobrando para ajudar motoristas na blitz

A fiscalização da Lei Seca no Rio de Janeiro flagrou motoristas que cobram dinheiro...

Mais para você