InícioNotíciasPolíticaEm 1 ano e 5 meses, 12 categorias fecharam acordos com o...

Em 1 ano e 5 meses, 12 categorias fecharam acordos com o governo Lula

Em um ano e cinco meses do terceiro governo Lula (PT), foram firmados 12 acordos com categorias de servidores públicos do Poder Executivo federal. Desses, sete foram assinados em 2023 e os outros cinco saíram neste ano de 2024.

No ano passado, o governo federal concedeu um reajuste linear de 9% para o funcionalismo que compõe o Executivo federal. No entanto, a partir de 2024, a estratégia foi mudada e o Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) passou a negociar diretamente com categorias, por meio das mesas temporárias e específicas de negociação.

Veja abaixo as categorias que firmaram acordos e as respectivas datas de assinatura:

Fevereiro/2023 – Carreiras da Fundação Nacional dos Povos Indígenas (Funai)

Março/2023 – Carreiras da Agência Nacional de Mineração (ANM)

Abril/2023 – Analistas Técnicos de Políticas Sociais (ATPS​)

Maio/2023 – Analistas em Tecnologia da Informação (ATI​)

Junho/2023 – Delegados e Peritos Criminais da Polícia Federal (PF)

Julho/2023 – Agentes, Escrivães e Papiloscopistas da Polícia Federal (PF​)

Agosto/2023 – Policiais Rodoviários Federais (PRF)

Janeiro/2024 – Agentes Federais de Execução Penal — Policiais Penais Federais (PPF)​

Fevereiro/2024 – Auditores-Fiscais e Analistas Tributários da Receita Federal (RFB​)

Março/2024 – Especialista Federal em Assistência à Execução Penal e Técnico Federal de Apoio à Execução Penal (PPF)

Abril/2024 – Analistas e Técnicos do Banco Central do Brasil (BC)

Maio/2024 – Carreiras do Magistério Superior (MS) e do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (EBTT) Acordo com professores está judicializado Na última quarta-feira (29/5), a 3ª Vara Federal de Sergipe determinou a suspensão de negociações do governo Lula com representantes da Federação de Sindicatos de Professores e Professoras de Instituições Federais de Ensino Superior e de Ensino Básico Técnico e Tecnológico (Proifes) para reajuste salarial de docentes federais.

A decisão da Justiça Federal atende o pedido apresentado pela Associação dos Docentes da Universidade Federal de Sergipe (ADUFS), seção sindical do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes-SN).

O Andes, que também participou das reuniões da mesa de negociação e alega ter maior representatividade, não aceitou os termos da proposta e não assinou o Termo de Acordo.

O juiz Edmilson da Silva Pimenta argumentou que os professores que não se sentem representados pela entidade serão prejudicados pelo acordo firmado entre a Proifes e o governo federal.

“Dos docentes que não são representados pela referida entidade, os quais sofrerão prejuízos em relação aos seus interesses e à busca pelos direitos reivindicados durante a greve, na medida em que o movimento poderá ser finalizado sem que tenham sido atendidos em suas demandas que ensejaram a deflagração da reportada greve”, destacou o magistrado.

Em nota, a Proifes alegou que, como o acordo já foi assinado, a ação (protocolada antes da assinatura) perdeu seu objeto. A entidade ainda informou que vai recorrer da decisão do juiz.

“A instituição reforça que segue firme com o seu propósito de exercer com transparência e legalidade sua representação perante sua base”, disse a federação.

Questionado pela reportagem, o Ministério da Gestão informou que ainda não foi notificado oficialmente da decisão. Caso o governo decida recorrer da decisão, a medida deve ser feita via Advocacia-Geral da União (AGU).

O acordo prevê pagamento do reajuste aos docentes em duas parcelas: janeiro de 2025 (9%) e maio de 2026 (3,5%), além de reestruturação na progressão entre os diferentes níveis da carreira.

Nesta segunda-feira (3/6), está prevista reunião do governo federal com o Andes. Na convocatória para o encontro, a Diretoria de Relações de Trabalho no Serviço Público disse que ele não significa continuidade do processo de negociação. “Reafirmaremos a proposta já apresentada”, escreveram os representantes do governo.

Reajuste de benefícios Os servidores do Executivo assinaram acordo com o MGI em abril com reajuste nos valores dos benefícios do auxílio-alimentação, auxílio-saúde e auxílio-creche. O pagamento começou a ser feito em junho e atende, em parte, o pleito dos servidores, que estavam com os benefícios congelados.

No entanto, eles criticaram o fato de que, à exceção do auxílio-saúde, os demais não contemplam aposentados e pensionistas. Além disso, os valores ainda não estão equiparados aos pagos pelos Poderes Legislativo e Judiciário. Por exemplo, o auxílio-alimentação pago para funcionários do Legislativo é de R$ 1.331,59. Já no Judiciário, esse benefício passou recentemente de R$ 1.182,74 para R$ 1.393,10.

Veja o que muda:

Auxílio-alimentação: passa de R$ 658 para R$ 1.000 (aumento de 51,9%); Assistência à saúde suplementar (auxílio-saúde): passa de R$ 144 para R$ 215 (aumento de 49,30%); e Assistência pré-escolar (auxílio-creche): passa de R$ 321 para R$ 484,90 (aumento de 50,7%).

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Alvo de Aras, jornalista tenta tirar vice do ex-PGR de ação no STF

O jornalista André Barrocal, alvo de uma ação movida pelo ex-procurador-geral da República Augusto...

STF retoma julgamento sobre atendimento de pessoas trans no SUS

Ação protocolada pelo PT defende que grupo tenha acesso assegurado aos serviços públicos de...

Silvio de Almeida é aplaudido em culto evangélico ao falar de aborto

São Paulo — O ministro de Direitos Humanos, Silvio Almeida, participou, na noite dessa...

Renascer: abandonada por Rachid, dona Patroa tem virada inédita

Reprodução/Globo 1 de 1 Foto colorida de Dona Patroa (Camila Morgado), em Renascer -...

Mais para você