InícioEditorialPolítica NacionalEUA têm a versão deles e eu tenho a minha, diz Lélis...

EUA têm a versão deles e eu tenho a minha, diz Lélis sobre acusação

A jornalista se tornou ré após ser acusada de ter fingido ser advogada e enganar interessados em tirar o visto de residência no país

Em sua defesa, a jornalista Patrícia Lélis (foto) diz estar sendo procurada pelo FBI por pegar “documentos de uns norte-americanos safados” que pediram que ela fosse usada como “bode expiatório” contra brasileiros Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

PODER360 16.jan.2024 (terça-feira) – 23h40

A jornalista Patrícia Lélis, acusada nos Estados Unidos de ter fingido ser advogada e fraudar quem a procurou em US$ 700 mil, disse que, com relação ao caso, ela tem uma versão dos ocorridos diferente da do FBI.

“O governo norte-americano tem a versão deles, eu tenho a minha”, disse no X (ex-Twitter), nesta 3ª feira (16.jan.2024). Lélis disse ter provas de sua inocência com base em e-mails, fotos, vídeos e ligações. No entanto, não revelou qual seria essa versão.

De acordo com Lélis, os elementos serão divulgadas “logo” por meio de jornalistas escolhidos para receber as informações de seus advogados.

Segundo as acusações, a jornalista teria enganado pessoas interessadas em tirar o visto de residência no país. Acabou incluída na lista de foragidos do FBI (Federal Bureau of Investigation, a Polícia Federal dos EUA).

Lélis disse estar sendo “procurada” pelo FBI por pegar “documentos de uns norte-americanos safados” que pediram que ela fosse “bode expiatório” contra brasileiros. Segundo ela, as autoridades dos EUA “já sabem exatamente” onde ela está “como exilada política”.

Em comunicado (leia a íntegra, em inglês – PDF – 105 kB), a Justiça norte-americana diz que ela é acusada de fraude eletrônica, transações monetárias ilegais e roubo de identidade agravado.

“Estou protegida em outro país, entreguei os documentos que tenho e estou sendo representada por um dos melhores advogados do país”, escreveu na publicação em seu perfil do X.

Com a repercussão do caso, congressistas de oposição ao governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), apoiado por Lélis, se manifestaram sobre o caso.

Na publicação desta 3ª (16), Lélis rebateu. “Só tá achando graça disso quem é hater cadelinha de governo-americano. Digo e repito: Essa campanha de destruição de imagem que vocês adoram fazer, não me atinge em nada. Nunca me atingiu”, afirmou.

QUEM É PATRÍCIA LÉLIS Patrícia Lélis, de 29 anos, tornou-se conhecida em 2016, quando entrou na Justiça contra o pastor e deputado federal Marco Feliciano (PL-SP) por “crimes de estupro, lesões corporais, sequestro, cárcere privado, ameaça e corrupção de testemunha”. O processo foi arquivado em 2018. Em abril de 2023, a jornalista falou sobre o caso e disse não ter sido a única vítima.

Em 2017, Lélis afirmou ter sido ameaçada pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP). Segundo ela, o congressista disse que iria, entre outras coisas, “acabar com a sua vida”. Na época, ela era militante do PSC (Partido Social Cristão), legenda à qual Eduardo também pertencia.

Embora tenha dito em janeiro de 2019 que namorou Eduardo por quase 4 anos, Lélis afirmou em entrevista posterior, em julho de 2019, que o relacionamento com o deputado era “algo arranjado” e que o “namoro nunca foi real”. O congressista também negou que tivesse se relacionado com a jornalista: “Nunca namorei, beijei, saí ou segurei na mão dessa pessoa”.

Um relatório da Polícia Civil do Distrito Federal, divulgado em 2021, indicou a existência de indícios de crime de denunciação caluniosa cometido pela jornalista contra o deputado. A conclusão do inquérito diz que as supostas mensagens de ameaça enviadas pelo congressista teriam sido simuladas.

No mesmo ano, 2017, Lélis pediu desculpas a Lula “por ter ido às ruas e ter sido a favor de um golpe”. Em seu perfil no Facebook, publicou fotos ao lado do petista.

reprodução/Facebook Patrícia Lélis – 10.out.2017

Montagem publicada por Patrícia Lélis em seu perfil no Facebook; nas imagens, ela está ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT)

Lélis concorreu em 2018 ao cargo de deputada federal pelo Pros, mas não foi eleita.

Depois da tentativa fracassada nas urnas, mudou-se para os Estados Unidos.

Em Washington D.C. ela hostilizou o senador Sérgio Moro (União Brasil-PR) ao encontrá-lo caminhando na rua. “Aqui está andando no meio da rua o homem que destruiu o Brasil, gente”, afirmou a jornalista.

A jornalista se filiou ao PT, mas foi expulsa da legenda em 2021 depois de ter feito uma declaração considerada transfóbica. Em um vídeo publicado nas redes sociais, ela diz que uma mulher trans “mostrou seu pênis a outras mulheres e adolescentes” em um banheiro de Los Angeles (EUA). Depois da repercussão, a jornalista afirmou que as falas foram retiradas de contexto.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Entenda a negociação entre Brasil e Paraguai sobre Itaipu

Governos dos 2 países discutem tarifas de 2024 e revisão do chamado anexo C...

Mendonça dá 60 dias para empresas renegociarem acordos com Lava Jato

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu prazo de 60 dias...

Moraes derruba decisões de Receita e Carf contra Globo e atores

Depois de decisões favoráveis do ministro Cristiano Zanin e da Primeira Turma do STF,...

Canadá propõe regras para atuação de plataformas digitais

A Lei de Danos On-line foi apresentada ao Parlamento pelo governo de Justin Trudeau;...

Mais para você