InícioEditorialPolítica NacionalFalas de Lula sobre Israel exprimem "profunda indignação", diz Vieira

Falas de Lula sobre Israel exprimem “profunda indignação”, diz Vieira

Segundo chanceler brasileiro, comparações entre Tel Aviv e Hitler revelam a “sinceridade” de quem quer “preservar a vida”

O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira; à comissão do Senado Federal, o chanceler disse que a reação diplomática de Israel é “indecorosa e descabida” Márcio Batista/MRE (via Flickr) – 26.nov.2023

Gabriel Bandeira 14.mar.2024 (quinta-feira) – 13h31

O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, disse nesta 5ª feira (14.mar.2024) que as falas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que compararam as ações de Israel na Faixa de Gaza às de Hitler na 2ª Guerra Mundial representam uma “profunda indignação” com a continuidade do conflito.

“É em um contexto de profunda indignação que se inserem as declarações do presidente Lula. São palavras que expressam a sinceridade de quem busca preservar e valorizar o valor supremo que é a vida humana”, afirmou o chanceler.

Vieira compareceu à sessão da Comissão de Relações Exteriores do Senado para responder aos questionamentos de senadores sobre a posição brasileira no conflito entre Tel Aviv e o grupo extremista palestino Hamas. O encontro foi convocado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) depois que as falas de Lula engataram uma crise diplomática com Israel.

“A posição do Brasil é em favor do diálogo e das negociações que conduzam à solução de 2 Estados, com a Palestina e Israel convivendo em paz e em segurança, dentro de fronteiras mutuamente acordadas e internacionalmente reconhecidas”, disse à comissão.

O ministro também condenou as falas do ministro de Relações Exteriores de Israel, Israel Katz. No X (ex-Twitter), Katz descreveu as declarações do presidente brasileiro como “um cuspe no rosto dos judeus brasileiros”.

“Lamento que a chancelaria de Israel tenha se dirigido de uma forma tão desrespeitosa a um chefe de Estado de um país amigo, o presidente Lula, que foi o 1º presidente brasileiro a visitar Israel oficialmente, em março de 2010”, disse.

Vieira ainda mencionou o episódio em que Katz levou o embaixador brasileiro em Israel, Frederico Meyer, ao Museu do Holocausto. Na ocasião, o ministro israelense declarou Lula “persona non grata” (que não é bem-vinda) durante discurso inteiramente em hebraico, sem tradução para Meyer. A ocasião foi classificada como “indecorosa e descabida” pelo chefe do Itamaraty.

“Reputo igualmente lamentável o tratamento indecoroso e descabido dado ao embaixador de Israel no Brasil, Frederico Meyer, que atendeu de boa fé a uma convocação da chancelaria israelense. São páginas que desabonam a pratica diplomática internacional […] O governo israelense foi informado de que o Brasil reagirá com diplomacia, sempre, mas com toda firmeza contra qualquer ataque que receber, agora e sempre”, declarou.

PUNIÇÃO COLETIVA Ao longo de sua fala à comissão, Vieira também criticou o que chamou de “reação desproporcional” das Forças de Defesa de Israel na Faixa de Gaza. Disse que as ações do governo de Benjamin Netanyahu não miram mais uma resposta para o Hamas, mas a “punição coletiva” do povo palestino.

“Israel tem o direito de defender a sua população, mas isso tem que ser feito dentro das regras do direito internacional. A cada dia que passa, no entanto, resta claro que a reação de Israel tem sido extremamente desproporcional. Não tem como alvo apenas os responsáveis pelo ataque [de 7 de outubro], mas todo o povo palestino. Trata-se de punição coletiva”, afirmou o ministro.

Em seu discurso, Vieira afirmou que é preciso condenar a “atrocidade” dos ataques do grupo extremista no sul de Israel em outubro de 2023. Disse que, desde o início dos conflitos, o governo de Lula e o Itamaraty repudiaram as ações “terroristas” do Hamas. No entanto, declarou que o avanço israelense sobre o território ocupado por palestinos é “inaceitável” e apenas “aprofunda as tragédias em curso”.

“Temos ouvido declarações cada vez mais recorrentes de altas autoridades do atual governo de Israel que passaram a falar abertamente sobre a ocupação de Gaza, com o deslocamento forçado de sua população, e que jamais aceitarão a constituição de um estado palestino”, afirmou o chanceler.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Padilha e Rui Costa se reúnem com vice-líderes para tratar de vetos

Encontro será realizado na casa de um dos vice-líderes, deputado Emanuel Pinheiro; momento é...

Padilha diz que governo quer liberar parte dos R$ 5,6 bilhões em emendas vetados por Lula

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil O ministro-chefe da Secretaria de Relações Institucionais, Alexandre Padilha...

Boletim semanal de arboviroses – 14 a 20/04

Entre os dias 14 e 20 de abril, a Secretaria de Saúde da Prefeitura...

Após vídeos com manobras ilegais, influencer tem moto apreendida no DF

Após divulgar vídeos fazendo manobras perigosas, ilegais e zombando de policias, sobre uma moto...

Mais para você