InícioEditorialPolítica NacionalGoverno trava taxação de importações de até US$ 50 e adia discussão

Governo trava taxação de importações de até US$ 50 e adia discussão

Relator tenta acordo para aprovar o fim da isenção, mas governistas estão resolutos; votação deve ficar para a próxima semana

Zeca Ribeiro/CâmaradosDeputados – 21.mai.2024

Fabricio Julião 22.mai.2024 (quarta-feira) – 21h25

A orientação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) contra a taxação de importações de até US$ 50,00 (R$ 257,00) travou o andamento da discussão na Câmara dos Deputados nesta 4ª feira (22.mai.2024). A proposta pode ser apreciada na 5ª feira (23.mai) caso haja acordo, mas o Poder360 apurou que a votação deve ficar para a próxima semana. 

O dispositivo está no projeto de lei do programa Mover (Programa de Mobilidade Verde e Inovação), que incentiva a descarbonização e a produção de veículos sustentáveis. Para ser aprovado com o fim da isenção às pequenas compras online internacionais, o relator Átila Lira (PP-PI) busca chegar a um “meio-termo” e diminuir a alíquota para a tributação. Os governistas, no entanto, estão resolutos com a ideia, apurou este jornal digital. 

O projeto de lei do programa Mover faz parte da chamada “pauta verde” e era uma das prioridades do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para ser apreciado antes do recesso no meio do ano. No entanto, a proposta foi alvo de impasse entre os líderes partidários nas últimas semanas por causa do “jabuti” adicionado pelo relator Átila Lira.

A proposta aprovada é de interesse do governo, mas o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) manifestou ser contrário à taxação das importações. Apesar de aumentar a arrecadação, o chefe do Executivo entende que a medida é impopular e pode levar à reação negativa dos eleitores em ano de eleições municipais. 

Inicialmente, a taxação de pequenas importações online era um desejo do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, na busca do cumprimento da meta fiscal. O ministério, entretanto, deixou de lado a intenção de dar fim à isenção depois do posicionamento da alta cúpula do Planalto. 

A Receita Federal também se manifestou contra a taxação. Em 2023, estimou que a isenção do imposto de importação para compras internacionais deve resultar em potencial perda de arrecadação de R$ 35 bilhões até 2027. 

Por outro lado, o vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB) disse no início desta semana que estava “otimista” sobre a apreciação do texto pelos deputados. Isso porque o programa substituirá uma ação relacionada ao Ministério de Indústria e Comércio, referente à descarbonização da indústria automotiva. 

O Mover foi criado a partir de uma MP (medida provisória) de 30 de dezembro de 2023, que assegura um incentivo fiscal de R$ 19,3 bilhões para montadoras que cumprirem critérios de descarbonização e de produção de veículos sustentáveis. O projeto parado na Câmara substituirá a MP em vigor, estendida até 1º de junho. 

O montante é dividido da seguinte forma: 

2024 – R$ 3,5 bilhões; 2025 – R$ 3,8 bilhões; 2026 – R$ 3,9 bilhões; 2027 – R$ 4 bilhões; 2028 – R$ 4,1 bilhões. Para o projeto de lei ser aprovado e substituir a emenda vigente, governistas buscam retirar a taxação do texto. Integrantes do Centrão, entretanto, querem dar continuidade às negociações para atender às demandas da indústria nacional sobre a falta de competitividade com os marketplaces estrangeiros.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Artista plástico goiano Gerson Fogaça anuncia mostra “Ciudad Invisible” na Cidade do México

  Com inauguração no dia 30 de junho, no Centro Cultural Futurama (México), exposição reflete...

Vila Don Patto Restaurante Português exalta os aromas e sabores da cozinha lusitana

Bacalhau protagoniza as elaborações preparadas pelo chef José Miranda Com uma classificação de 4,6 estrelas...

Entidades criticam decisão do BC de manter Selic a 10,5%

Copom votou em unanimidade para manter a taxa nesta 4ª feira (19.jun); só a...

STF: Gilmar pede vista e suspende julgamento de regras da previdência

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu vista e suspendeu o...

Mais para você