InícioEditorialPolítica NacionalGoverno vai ao STF pedir para rever forma de pagar precatórios e...

Governo vai ao STF pedir para rever forma de pagar precatórios e espera quitar R$ 95 bilhões

Em estratégia desenvolvida conjuntamente com o Ministério da Fazenda, a Advocacia-Geral da União (AGU) encaminhou nesta segunda-feira, 25, ao STF (Supremo Tribunal Federal) um pedido de inconstitucionalidade das emendas que criaram um teto anual para as despesas com o pagamento de precatórios até 2027. Esta legislação, aprovada em 2021, obriga a União a aceitar os créditos oriundos das decisões judiciais transitadas em julgado como pagamento em um conjunto de situações, como outorgas de concessões de serviços e aquisição de imóveis públicos. Com a medida, o governo espera quitar cerca de R$ 95 bilhões de fatura acumulada e projeta alterar definitivamente como esses pagamentos são computados na contabilidade federal. No documento emitido, a AGU destaca que as emendas constitucionais não só “afrontam princípios constitucionais” como geram “grave desequilíbrio para as contas públicas”.

Em sua manifestação, a AGU alerta que o novo regime de precatórios não só produziu “um volume significativo e crescente de despesa artificialmente represada”, que só deverá começar a ser paga em 2027, como “não veio acompanhada de qualquer perspectiva de solução com vistas a equacionar o passivo que será acumulado a médio e longo prazo, de sorte a viabilizar seu pagamento efetivo após a data final estabelecida para a vigência do referido regime”. Assim, ressalta a AGU na manifestação que a “permanência do atual sistema de pagamento de precatórios tem o potencial de gerar um estoque impagável, o que resultaria na necessidade de nova moratória”.

Caso aprovada pelo STF, o Ministério da Fazenda alegará que a quitação do estoque não era esperada e, como se trata de um despesa extraordinária, deve ser liberada do limite do teto de despesas do novo Arcabouço Fiscal. Dessa forma, o governo poderá arcar com o pagamento sem burlar regras fiscais.  Além disso, as despesas de precatórios serão desagregadas permanentemente. O valor principal da dívida será tratado como uma despesa primária e entrará na lista de gastos submetidos ao teto de gastos. Já o que for referente ao pagamento de juros será segregado e tratado como despesa financeira.

A AGU ainda pede para o STF autorizar o governo a abrir crédito extraordinário e, desta maneira, quitar o passivo do regime de precatórios. Também afirma que deve ser distinguido o valor principal dos títulos — que, de acordo com a gestão Lula, continuarão sendo considerados despesas primárias — dos encargos financeiros oriundos da incidência de juros e correção monetária. “Cumpre destacar que a apontada inconstitucionalidade da instituição de um teto de precatórios, bem como o pedido de inconstitucionalidade por arrastamento da obrigação da União em implementar a compensação nos termos do § 11 do artigo 100 da Constituição Federal, objetivam essencialmente garantir a concretização dos princípios da responsabilidade fiscal e da segurança jurídica, pilares fundamentais para a estabilização econômica do país e consequente desenvolvimento social, como determinado pela Constituição de 1988”, concluiu a AGU

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Fazer refeições mais cedo reduz risco de problemas cardiovasculares

Estudo mostra que quem come depois das 21h tem probabilidade 28% maior de desenvolver...

A avaliação do time de Lewandowski sobre o projeto que limita delações

Integrantes da cúpula do Ministério da Justiça veem com cautela o projeto de lei...

Após seca histórica, indústria do AM acende alerta para clima em 2024

Meses após a seca histórica no Rio Negro, em Manaus, capital do Amazonas, a...

Governador liga para Lewandowski após ataques com mortes no Ceará

Elmano de Freitas (PT) diz não descartar pedir apoio do governo Lula para reforçar...

Mais para você