InícioEditorialPolítica NacionalLula visita o Egito em momento de tensão do país com Israel

Lula visita o Egito em momento de tensão do país com Israel

Primeiro-ministro israelense considera ofensiva em Rafah, na fronteira de Gaza; viagem ao continente africano marca retorno de compromissos internacionais do presidente em 2024

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) visitará o Egito no momento em que as tensões entre o país africano e Israel aumentaram por causa da ameaça de ações militares israelenses no sul da Faixa de Gaza. Embora a viagem marque os 100 anos das relações entre Brasil e Egito, o conflito na região deve dominar a agenda do chefe do Executivo brasileiro. O petista inicia seu 1º périplo internacional do ano na 4ª feira (14.fev.2024), quando desembarcará no Cairo, capital egípcia.

Na 6ª feira (9.fev.2024), o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse que o Exército israelense precisa conduzir operações na cidade de Rafah, ao sul da Faixa de Gaza, para derrotar o grupo extremista Hamas.

A região abriga atualmente mais de 1 milhão de palestinos que se deslocaram de outras cidades destruídas pela guerra. É praticamente o último refúgio de Gaza. O premiê israelense pediu que o Exército elabore um plano de retirada dos civis.

Rafah faz fronteira com o Egito e tem a única passagem de Gaza para outro território que não o israelense. Por isso, o governo do presidente egípcio Abdul Fatah Khalil al-Sisi alertou aliados ocidentais de Israel de que a ofensiva na região sul de Gaza pode levar ao rompimento do tratado de paz israelo-egípcio, firmado em 1979.

De acordo com reportagem do jornal The New York Times, diplomatas egípcios avaliam que as ações israelenses podem forçar os palestinos a entrar no território do Egito. Para o governo do país, a entrada de refugiados aumentaria a influência de grupos extremistas na região.

O alerta do Egito teria sido comunicado ao secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, durante uma visita do norte-americano ao Cairo em 7 de fevereiro. Segundo ele, o governo egípcio estaria preparado para militarizar a fronteira com Gaza.

Desde o ataque do Hamas contra Israel em 7 de outubro de 2023, o Egito tem sido um dos principais interlocutores dos governos israelense e palestino com demais nações. O Brasil, por exemplo, contou com a ajuda dos egípcios nas negociações para a retirada de 115 brasileiros e familiares palestinos da Faixa de Gaza. Todos saíram pela passagem de Rafah e viajaram até o Cairo para, então, retornarem ao Brasil.

Lula terá uma reunião reservada com al-Sisi na 5ª feira (11.fev.2024). Depois, encontra-se com demais autoridades egípcias. O presidente deve visitar também a sede da Liga dos Estados Árabes.

DISCUSSÕES SOBRE A GUERRA O conflito na Faixa de Gaza será um dos principais temas das conversas entre os presidentes. “É sempre uma questão delicada, que deve ser tratada, entre outros, com o Egito por causa da passagem de Rafah. Essa questão certamente vai estar em pauta, se não em termos específicos sobre a retirada de brasileiros que ainda possam estar lá, a questão de Gaza em si vai ser objeto de conversas sim”, disse o embaixador Carlos Sérgio Sobral Duarte, secretário de África e de Oriente Médio do Itamaraty.

Na 6ª feira (16.fev.2024), Lula viajará para a Etiópia, onde participará como convidado de honra da Cúpula da União Africana. Também deverá se reunir com o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, a quem chamou de amigo, e com o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, em Adis Abeba, na Etiópia, em 17 ou 18 de fevereiro.

Em jantar na Embaixada da Palestina em Brasília na 5ª feira (8.fev.2024), Lula repetiu sua visão sobre o conflito. Classificou o ataque do Hamas como um ato “terrorista”, mas disse condenar “com igual veemência a reação desproporcional de Israel”. O presidente tem dito que as ofensivas militares em Gaza mataram principalmente mulheres e crianças.

No mesmo evento, Lula disse que enviará mais dinheiro para a UNRWA, a agência das Nações Unidas para refugiados palestinos. Mas não deu detalhes do montante que pretende doar.

A organização é suspeita de colaborar com o Hamas nos ataques a Israel de 7 de outubro de 2023. “As recentes denúncias contra funcionários da UNRWA precisam ser devidamente investigadas, mas não podem paralisá-la”, disse o petista em discurso na Embaixada da Palestina, onde foi homenageado. Leia a íntegra da fala do presidente (PDF – 39 kB).

Leia mais sobre a guerra em Gaza:

Hamas tinha datacenter abaixo de sede de agência da ONU em Gaza Israel planeja ataque contra Hamas em Rafah, último refúgio em Gaza Egito alerta que ofensiva de Israel em Rafah pode romper acordo Governo Lula cria grupo de trabalho para discutir visto a palestinos Historicamente, o Brasil defende a existência de 2 Estados como solução para a região, com a criação do Estado Palestino. Lula também defende que o Hamas liberte reféns.

O presidente, porém, tem evitado mencionar o brasileiro Michel Nisenbaum, 59 anos, que foi sequestrado pelo Hamas em 7 de outubro de 2023. Em dezembro, Lula recebeu Mery Shohat e Hen Mahlouf Nisenbaum, irmã e filha de Nisenbaum.

De acordo com o embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zonshine, o governo, porém, não fez contato com a representação diplomática para compartilhar informações sobre os esforços empreendidos pela libertação de Nisenbaum.

“Eu não recebi informações ou contatos sobre os esforços ou o que foi feito. Conosco, nada foi falado. Mas eles prometeram ajudar”, disse em entrevista ao Poder360 em janeiro.

Em 10 de janeiro, o governo declarou apoio à iniciativa da África do Sul de acionar a Corte Internacional de Justiça da ONU (Organização das Nações Unidas) para investigar “atos e medidas que possam constituir genocídio ou crimes relacionados” e determinar o cessar-fogo imediato de Israel na Faixa de Gaza.

Lula tomou essa decisão depois de se reunir com o embaixador da Palestina no Brasil, Ibrahim Alzeben. Na 5ª feira (8.fev.2024), o presidente defendeu que Israel acate a decisão da Corte Internacional, que determinou que o país evite um “genocídio” em Gaza.

15 países em 2023 Em 2023, Lula passou 62 dias fora do Brasil, quando visitou 24 países em um total de 15 saídas do país. Ele esteve na África duas vezes. Em julho, permaneceu por apenas cerca de duas horas em Cabo Verde.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Alckmin diz que homeschooling é proposta “racista”

Presidente interino afirma que modelo foi implementado para isolar...

Leilão de trem SP-Campinas testa eficácia de “roadshow” de Tarcísio

São Paulo — Pouco mais de duas semanas após fazer um tour europeu para...

Transferências via DOC e TEC deixam de existir nesta quinta-feira

Um dos meios mais tradicionais de transferência bancária chega ao fim nesta quinta-feira, 29,...

Alckmin volta a dizer que Lula “salvou” a democracia

Presidente em exercício declarou que só é democrata quem...

Mais para você