InícioEditorialPolítica NacionalMinirreforma eleitoral altera regras para inelegibilidade e sobras eleitorais

Minirreforma eleitoral altera regras para inelegibilidade e sobras eleitorais

Nova versão do texto exclui trecho que autorizava a propaganda eleitoral nas redes sociais no dia da eleição e suprime a proposta de multa como punição alternativa para a compra de votos

Vinicius Loures/Câmara dos Deputados

Deputado federal Rubens Pereira Júnior (PT – MA) durante debate no Grupo de Trabalho da Minirreforma Eleitoral

O plenário da Câmara dos Deputados deve votar nesta quarta-feira, 13, dois projetos que compõem a chamada minirreforma eleitoral. O Grupo de Trabalho que discute o tema na Casa recebeu na segunda-feira, 11, o parecer do relator, deputado Rubens Pereira Júnior (PT-MA), com as modificações previstas para entrar em vigor já nas eleições municipais de 2024. Entre as mudanças mais significativas, a proposta altera regras para a contagem do prazo de inelegibilidade a políticos. Pelas regras atuais, o período de oito anos começa a contar a partir do fim do mandato ou após cumprimento da pena. No entanto, pela minirreforma, o prazo seria de oito anos a partir da decisão que decretou a perda do cargo, o que deve levar a redução do prazo da inelegibilidade.

Inicialmente, o texto também flexionava a punição para a compra de votos, com a possibilidade da Justiça Eleitoral aplicar multas como pena alternativa à cassação do diploma, ou seja, cassação das candidaturas. Entretanto, o trecho está entre os pontos que foram retirados pelo relator nesta terça. Outro ponto retirado foi a proposta de autorizar a propaganda política digital no dia do pleito, assim como o trecho que iria suprimir as exigências de tamanho para as propagandas eleitorais. Por sua vez, ficou mantida na minirreforma eleitoral a permissão de propaganda conjunta por candidatos de partidos diferentes e alterações na prestação de contas buscando a simplificação, o que inclui o uso do Pix para doações, e novas regras para as sobras eleitorais.

Quanto às campanhas femininas, o texto permite que parte dos recursos dos fundos partidário e eleitoral, destinadas às candidaturas de mulheres, sejam destinadas a despesas comuns de concorrentes homens, “desde que haja benefício para campanhas femininas e de pessoas negras”. Outro ponto controverso é também flexibilizar as cotas de gênero, ao estabelecer que o mínimo de 30% de candidatas mulheres se refere a uma federação e não aos partidos individualmente, assim como a proposta também disciplina a desistência voluntária de candidatas femininas após o registro da candidatura, sem prejuízo aos partidos. A proposta da minirreforma também muda datas do calendário eleitoral, com a antecipação do prazo final para o registro de candidatura pelos partido, sendo fixado em 26 de julho, às 19h, e também mudança no período das convenções, que deverão ocorrer entre 5 e 20 de julho.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Vaidebet: A Plataforma Definitiva para Apostas Online

O mercado de apostas online está em constante evolução, oferecendo cada vez mais opções...

Partido Democrata avalia antecipar nomeação de Biden

Integrantes querem oficializar a candidatura antes da Convenção Nacional, em 19 de agosto; buscam...

“Ninguém vai te roubar”, diz Nego Di para vítima de golpe: veja prints

O influenciador e humorista Nego Di foi preso em 14 de julho, em Santa...

Dólar vai a R$ 5,58, à espera de reunião de Lula com Haddad. Entenda

O dólar opera em forte alta nesta quinta-feira (18/7). Às 16h20, a moeda americana...

Mais para você