InícioNotíciasPolíticaNunes compara caso das joias de Bolsonaro ao da importunação a baleia

Nunes compara caso das joias de Bolsonaro ao da importunação a baleia

São Paulo — O prefeito da capital, Ricardo Nunes (MDB), comparou o caso das joias de Jair Bolsonaro (PL), no qual ele foi indiciado pela Polícia Federal (PF), ao da importunação a uma baleia jubarte, em que o ex-presidente se livrou do inquérito após prestar depoimento.

Nunes participou, na manhã desta terça-feira (9/7), do evento de celebração da Revolução de 1932, realizado no Parque Ibirapuera, zona sul paulistana. Após o desfile, o prefeito foi questionado pelo Metrópoles se acredita na inocência de Bolsonaro, que é seu aliado político e indicou o vice na chapa do emedebista, no caso das joias.

“Teve o caso da baleia, que teve indiciamento, [Bolsonaro] foi ouvido pela Polícia Federal, e depois disse que não importunou a baleia. Teve o caso dos móveis, que [ele] sumiu com os móveis, e depois os móveis estavam guardados lá. Teve o caso da embaixada, que teria algo errado, ilegal, e depois descobriu que não era ilegal. Tem que ter muita tranquilidade e comemorar que nós somos um país da democracia. A democracia prevê que a gente respeite os processos legais”, disse Nunes.

1 de 5

Crianças começam a chegar para Desfile do 9 de Julho em SP

Leonardo Amaro/Metrópoles

2 de 5

Militares prontos para Desfile de 9 de Julho

Leonardo Amaro/Metrópoles

3 de 5

Tarcísio de Freitas e Ricardo Nunes entre autoridades que assistem Desfile de 9 de Julho, na zona sul de SP

Leonardo Amaro/Metrópoles

4 de 5

Tarcísio de Freitas e Ricardo Nunes conversam

Leonardo Amaro/Metrópoles

5 de 5

Ricardo Nunes em evento do feriado de 9 de julho

Leonardo Amaro/Metrópoles

Bolsonaro foi ouvido no inquérito que apurou uma suposta importunação de uma baleia jubarte durante um passeio de moto aquática em São Sebastião, no litoral paulista, em junho do ano passado. Contudo, a PF não o indiciou, como indicou o prefeito.

Nunes acompanhou a cerimônia ao lado do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), do secretário da Segurança Pública, Guilherme Derrite, e do presidente da Assembleia Legislativa (Alesp), André do Prado (PL).

Caso das joias O relatório da PF sobre a investigação da venda ilegal de joias recebidas como presente pelo governo do ex-presidente Jair Bolsonaro indica desvios milionários e mentiras do clã Bolsonaro. O documento teve o sigilo retirado na segunda-feira (8/7) pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), relator do caso.

As diligências da PF apontam que teria havido a movimentação de R$ 6,8 milhões (US$ 1,2 milhão) com a venda ilícita de bens. O entendimento dos investigadores é que houve “enriquecimento inadmissível” pelo então presidente da República. O documento indicia Bolsonaro e mais 11 pessoas. O registro oficial da apuração foi entregue ao STF fisicamente na sexta-feira (5/7).

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Paraná Pesquisas: Nunes tem 26,9% contra 24,7% de Boulos na corrida pela Prefeitura de São Paulo

O Instituto Paraná Pesquisas divulgou nesta sexta-feira (21) um novo levantamento sobre as eleições...

Record desmente apresentador após ele dizer que vai para A Fazenda 16

Lourival Ribeiro/SBT 1 de 1 Dudu Camargo no SBT na mão - Metrópoles ...

Lula se pronuncia sobre fala de Maduro: ‘Eles que elejam os presidentes que quiserem’

Durante cerimônia de anúncio de investimentos em obras na Via Dutra e Rio-Santos, na...

Representando a moda masculina, Márcio Souza

O mercado da moda masculina tem tido uma considerável crescente no mercado mundial, mostrando...

Mais para você