InícioNotíciasPolíticaPCC: nº 2 é acusado de namorar advogada para usá-la como pombo-correio

PCC: nº 2 é acusado de namorar advogada para usá-la como pombo-correio

São Paulo — Ofício da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) de São Paulo afirma que Júlio César Guedes de Moraes, o Julinho Carambola, apontado como segundo criminoso na hierarquia do Primeiro Comando da Capital (PCC), estaria em um relacionamento amoroso com a própria advogada para fazê-la de pombo-correio da facção.

Segundo o documento, obtido pelo Metrópoles, o chefão do PCC também teria dado ordem para que a organização criminosa banque uma mesada à advogada. O valor do suposto auxílio não é informado no relatório.

O ofício da SAP foi feito a partir de informações do setor de inteligência da Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen) e apresentado à Justiça paulista nesta segunda-feira (11/12).

Nele, a pasta do governo Tarcísio de Freitas (Republicanos) pede que Julinho Carambola permaneça por mais um ano na Penitenciária Federal de Porto Velho, em Rondônia, onde está preso desde março de 2023. O prazo em unidade de segurança máxima expira em 25 de janiero de 2024. Antes, o criminoso havia ficado quatro anos em Mossoró (RN).

“O preso teria estabelecido relacionamento afetivo com causídica [advogada] para utilizá-la na transmissão de recados escusos e, inclusive, teria ordenado pagamento de auxílio financeiro mensal à mesma causídica”, diz o documento, assinado por Marcello Streifinger, titular da pasta.

Cúpula do PCC Condenado a mais de 168 anos de prisão, Julinho Carambola é acusado de fazer parte da “Sintonia Final Geral”, a alta cúpula do PCC, desde a ascensão de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, que se tornou líder máximo do grupo em 2002.

Na sua ficha criminal, constam passagens por roubo, homicídio qualificado, associação criminosa, ameaça, lesão corporal e porte ilegal de arma de fogo. É a Julinho Carambola, por exemplo, que é atribuído um áudio que antecipava os ataques do PCC que pararam São Paulo em maio de 2006.

O criminoso também esteve envolvido no plano de resgatar Marcola na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, no interior paulista, em 2018. Cinco anos depois, Julinho Carambola continuaria “ativo e vinculado ao crime organizado”, de acordo com a SAP.

“No âmbito do Sistema Penitenciário Federal – SPF, informações de inteligência recentes dão conta que o preso teria mencionado provimento de valores possivelmente relacionados a negócios ilícitos da facção criminosa”, diz a pasta.

Em parecer, a Senappen diz que Julinho Carambola tem três advogados ativos atualmente. No último ano, ele recebeu 13 visitas sociais e 29 atendimentos jurídicos no sistema penitenciário federal.

O Metrópoles procurou a advogada de Carambola no processo que trata da sua permanência na cadeia de segurança máxima. O espaço segue aberto para manifestação.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

No STF, PM réu pelo 8/1 vê descoordenação de inteligência e cita erros

O ex-comandante-geral da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) coronel Fábio Augusto Vieira, réu...

Documentos secretos revelam que ditadura expulsou diplomatas gays

Um novo relatório secreto chegou à mesa do ministro José de Magalhães Pinto, em...

Janja brinca com militar, entrega cadela Resistência e a pede de volta

Primeira-dama fez graça durante envio de ração para pets ao Rio Grande do Sul;...

Leo Santana lota Anhangabaú na abertura da Virada Cultural de SP

São Paulo — O começo do show atrasou mais de uma hora e o...

Mais para você