InícioEditorialEntretenimentoRodrigo França estreia Humor Negro e comenta polêmica no Multishow

Rodrigo França estreia Humor Negro e comenta polêmica no Multishow

O especial de comédia Humor Negro, dirigido por Rodrigo França em 2022, fez tanto sucesso que virou uma série no Multishow e no Globoplay. No programa, o ator, diretor, cientista social, filósofo, escritor e ex-BBB, usa a comicidade para desmascarar e fazer críticas ao racismo enfrentado por artistas negros dentro e fora dos palcos brasileiros.

Em entrevista ao Metrópoles, Rodrigo explica o cuidado para que a série não cause gatilhos em pessoas negras. “A gente não ri da vítima, a gente ri do algoz. Porque muitas vezes a gente tá falando do racismo cotidiano. A gente não tá falando do extremo que chega a morte, embora o cotidiano leve também. A morte é muitas vezes o racista. Ele é patético, ele é patético no senso de superioridade. O nosso deboche está nisso. Então é uma escrita e uma interpretação muito responsável”, explica.

O diretor afirma ainda que sabe da complexidade de lidar com o humor, justamente por ele ser usado muitas vezes como ferramenta da opressão de grupos minoritários: “Tem uma pesquisa de 30 anos de arte que vai contra a uma narrativa hegemônica que muitas vezes execra ao invés de conscientizar, ao invés de fazer rir. Então é uma equipe onde todo mundo está 100%, está muito atento ao que vai dizer, o que vai mostrar”.

Durante a conversa, Rodrigo comentou a polêmica envolvendo o programa Vai que Cola, do Multishow. A equipe do humorístico entrou em crise após os roteiristas emitirem uma carta aberta afirmando que o roteirista André Gabeh, segundo eles, o único homem negro e suburbano da equipe, foi demitido por implicância e perseguição de alguns atores.

Rodrigo França

Rodrigo França Reprodução

Rodrigo França 2

Rodrigo França Reprodução

Rodrigo França 1

Rodrigo é diretor da série Humor Negro Reprodução

Rodrigo-França-2-RED

Rodrigo França é autor de O Pequeno Príncipe Preto Julio Ricardo/ Divulgação

Rodrigo-França-1-RED

Ator, diretor, roteirista, ex-BBB e escritor Julio Ricardo/Divulgação

“Eu vou além do caso, porque eu não estou lá. Mas eu posso fazer uma análise do que é a sociedade. As instituições só tendem a reproduzir o que a sociedade é. Então, o que a sociedade é para pessoas negras, mulheres, LGBTQI+, as instituições também tendem a ser”, afirma Rodrigo.

O escritor diz que apesar de não saber, de fato, como as coisas aconteceram, se solidariza com André. “Eu conheço o André Gabeh, como conheço artistas e técnicos desse projeto, são pessoas que eu tenho muito respeito, mas eu não posso sinalizar porque eu não vivencio. Mas, ao mesmo tempo, eu não posso tirar o crédito do André, que se coloca como vítima”.

Confira a entrevista na íntegra:

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Cantora russa Ekaterina Bessmertnova lança o álbum “Contra os ventos e as marés”

Radicada em Vitória há oito anos, cantora interpreta cinco canções do maestro Célio Paula...

Brasil a 1 passo de liderar soluções de emergência climática

Regulamentação do mercado de carbono contribuirá para que país atue na reversão do risco...

Marco Civil da Internet completa 10 anos sob ameaça da Justiça e defendido por idealizadores

Foto: Tânia Rego/Arquivo/Agência Brasil Marco Civil da Internet completa 10 anos sob ameaça...

8 de Janeiro ainda tem 88 pessoas presas pelo STF

Reprodução 1 de 1 Bolsonaro PGR Bolsonaristas invadem o Planalto em 8 de janeiro...

Mais para você