InícioEditorialPolítica NacionalTCU ainda analisa eficácia de isenção fiscal a líderes religiosos

TCU ainda analisa eficácia de isenção fiscal a líderes religiosos

Processo que corre na Corte de Constas foi apresentado como justificativa pela Receita Federal para derrubada da norma

O processo foi instaurado a partir de uma representação do MPTCU sobre eficácia do benefício; na foto, sede do TCU Sérgio Lima/Poder360 – 11.set.2020

Eric Napoli 17.jan.2024 (quarta-feira) – 19h28

O TCU (Tribunal de Contas) informou nesta 4ª feira (17.jan.2023) que o processo que avalia a eficácia da isenção fiscal a líderes religiosos ainda está em análise. O processo foi citado pela Receita Federal como a justificativa para a derrubada da norma.

Segundo a Corte de Contas, ainda não há qualquer decisão sobre a legalidade e legitimidade do benefício fiscal. O processo foi instaurado a partir de uma representação do MPTCU (Ministério Público junto ao TCU) que solicita a apuração de possível desvio de finalidade do benefício. A relatoria do processo é do ministro Aroldo Cedraz.

Leia a íntegra da nota:

“Em relação à informação de que a Receita Federal do Brasil teria suspendido, por determinação proposta pelo MPTCU (Ministério Público junto ao TCU), a eficácia do Ato Declaratório Interpretativo RFB nº 1, de 29 de julho de 2022, o Tribunal de Contas da União esclarece que o assunto é objeto de análise no processo TC 018.933/2022-0, de relatoria do ministro Aroldo Cedraz, ainda sem decisão do TCU.

“O processo trata de representação do MPTCU para avaliar a legalidade e legitimidade da ampliação de isenção de impostos para remuneração recebida por pastores conferida pela referida norma, diante de possível desvio de finalidade e ausência de motivação.

“O TCU se manifesta apenas por meio de seus acórdãos ou por decisões monocráticas dos seus ministros.”

FISCO REVOGA BENEFÍCIO A revogação do benefício foi publicada nesta 4ª feira (17.jan) no DOU (Diário Oficial da União) e é assinada pelo secretário do Fisco, Robinson Barreirinhas. Eis a íntegra do ato (PDF – 124 kB). A isenção estava em vigor desde 1º de agosto de 2022, durante o governo Jair Bolsonaro (PL).

O benefício tributário valia para o salário de “ministros de confissão religiosa”, como pastores. Os valores pagos pelas igrejas aos líderes religiosos não eram considerados como remuneração direta ou indireta.

A isenção foi dada duas semanas antes do início da campanha eleitoral pelo então secretário da Receita, Julio César Vieira Gomes. Ele era funcionário público do órgão e foi demitido depois de envolvimento no caso das joias recebidas pelo ex-presidente como presente da Arábia Saudita.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

“Tudo bem corintiano bater em mulher, Lula?”, diz Ciro Nogueira

Senador afirma ser “inaceitável” fala do presidente “perdoando” violência doméstica praticada por torcedores do...

Sem furar bolha da esquerda, Boulos anuncia 8º partido em coligação

São Paulo – Polarizando com o prefeito Ricardo Nunes (MDB) nestas eleições, o deputado...

Erik Cardoso busca medalha olímpica após quebrar recorde de 35 anos

Principal velocista do Brasil na atualidade, Erik Cardoso é uma das grandes promessas...

Presidente do Conselho da Vale reafirma “lisura” na escolha de novo CEO

Daniel Stieler disse que o cronograma está sendo seguido “rigorosamente”, mas ainda não há...

Mais para você