Prado: Fiscais da CGU fazem inspeção nas estradas e pontes, onde foram gastos mais R$ 2 milhões

Fiscais da Controladoria Geral da União (CGU) que chegaram na prefeitura de Prado na última segunda-feira (13/02),  para verificarem denúncias das obras de recuperação de estradas, pontes, construção de casas e desobstrução de canais  feitos com recurso federal no total de R$ 3 milhões liberados pelo Ministério da Integração Nacional e   Secretaria Nacional da Defesa Civil na administração do prefeito João Alberto Viana Amaral, o ‘Jonga’ (PCdoB), foram vistos pela reportagem do site Prado Agora  na manhã desta quarta-feira (15) na estrada que liga  a cidade de Prado ao distrito de Cumuruxatiba verificando as pontes da Praia da Amendoeira e Praia  da Paixão.

Nas recuperações das  pontes da Praia da Amendoeira, Praia  da Paixão e  de uma outra na região do povoado de Palmares  foram gastos R$ 33.500,00.

Veja onde foram gastos os R$ 3 milhões

As duas primeiras pontes  foram construídas de concreto  por administrações anteriores,   na ocasião das fortes chuvas foram retirados das cabeceiras  o  aterro  que foi reconstruído pela atual administração e nada mais, até a pintura existente foi feita pela gestão passada.

A população espera que os fiscais verifiquem que as estradas também não foram cascalhadas e  algumas  casas  das vinte construídas ainda não  foram concluídas.

Nos últimos meses, a prefeitura de Prado foi objeto de auditoria e fiscalização do Ministério da Integração Nacional, do Tribunal de Contas dos Municípios e, mais recente, da Secretaria de Saúde da Bahia.

O Ministério da Integração Nacional promoveu, em meados de dezembro de 2011, uma inspeção em todas as obras realizadas com recursos públicos federais no município. A inspeção foi motivada pela denúncia de que o prefeito Jonga Amaral teria desviado R$ 3 milhões oriundos desse ministério em obras de infraestrutura.

Para investigar essa e outras denúncias, o engenheiro Luiz Carlos Chagas Felipe analisou, durante dois dias, todos os convênios firmados entre a prefeitura de Prado e o Ministério da Integração Nacional.

Já a diligência determinada pelo TCM aconteceu em 29/11/2011, na prefeitura de Prado, e teve como motivação as inúmeras denúncias feitas contra o prefeito Jonga Amaral pela imprensa.

Mais recentemente, uma equipe de auditores da Secretaria Estadual de Saúde (Sesab) esteve na prefeitura de Prado com a missão de investigar várias denúncias de mau uso de recursos públicos pela administração do prefeito Jonga Amaral. Entre outros itens, os auditores fiscalizaram denúncias envolvendo uma policlínica-fantasma e a falta de medicamentos e curativos nos PSFs.

Fonte / Prado Agora

Deixe seu comentário