InícioEditorialEsportesEntenda por que presidente da CBF pode esperar Ancelotti até 2024

Entenda por que presidente da CBF pode esperar Ancelotti até 2024

O presidente da CBF, Ednaldo Rodrigues, pode esperar por Carlo Ancelotti até 2024. O mandatário explicou os motivos de ser fã do treinador italiano, plano A para suceder Tite no comando da seleção brasileira. Não são só os títulos, segundo ele, que fizeram o dirigente apostar no técnico do Real Madrid.

“Acho que é importante iniciarmos o trabalho com aquilo que atletas gostam. Torcedores e imprensa falam muito bem dele (Ancelotti) também. Não é nenhum desmerecimento ao bons treinadores brasileiros”, afirmou Ednaldo.

O presidente da CBF admitiu que a meta é convencer Ancelotti a assumir a seleção. Não há outro nome na mesa no momento tão competente quanto o italiano. “É um grande gestor de grupo. Aqueles atletas que jogaram com ele têm saudades, o elegem como o melhor treinador da carreira”, enalteceu.

“E aqueles novos, que ainda sonham crescer no futebol, gostariam ter um treinador como o Ancelotti. Entendo que é um dos melhores treinadores do mundo e que (gostaria) treinar uma das melhores seleções do mundo”, completou.

Embora não admita, Ednaldo deve se encontrar com Ancelotti neste mês. Ele está em Madri, onde participou de evento para divulgar o amistoso da seleção brasileira com a Espanha, agendado para março de 2024. Depois, viaja a Barcelona, onde o Brasil enfrenta Guiné, no próximo sábado.

“Tenho agenda ainda aqui em Madrid, mas não posso dizer que é com ele. Até o dia 18, ficaremos aqui entre Barcelona e Madrid. Podemos ter reuniões. Não tô dizendo que é diretamente com ele, mas para ouvir mais pessoas a respeito desta meta que nós temos”, ponderou o presidente da CBF, acostumado a se esquivar das perguntas sobre o novo treinador da seleção brasileira.

Ele prometeu que, depois desses encontros, terá “uma posição mais nítida” sobre o sucessor de Tite e explicou por que, mesmo com a sinalização de que Ancelotti vai cumprir seu contrato com o Real Madrid, não desiste do treinador italiano. “Sou nordestino. Sou muito persistente e esperançoso”.

O longo tempo sem um comandante não é comum na seleção brasileira. Desde que Tite confirmou sua saída em 17 de janeiro, são mais de quatro meses inteiros sem um substituto.

A última vez que demorou tanto foi logo após a conquista do penta, em 2002. Naquele ano, Luiz Felipe Scolari anunciou em 9 de agosto que estava deixando o cargo, enquanto seu sucessor, Carlos Alberto Parreira, só assumiu o time cinco meses depois, em 8 de janeiro de 2003. Se confirmada a espera por Ancelotti, o “recorde” será batido com folga.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Homem com fuzil é preso perto de convenção republicana

Segurança no local do evento foi reforçada após o ex-presidente dos EUA Donald Trump...

Anderson Torres aposta em reviravolta para não ser expulso da PF

Vinícius Schmidt/Metrópoles 1 de 1 PF Anderson Torres ex-secretário de Segurança Pública do DF,...

Chiquinho diz que é “vítima” e que relação com Marielle era “maravilhosa”

Na Câmara, deputado nega envolvimento com milícias; Domingos Brazão, irmão do congressista, também prestou...

Bambambã: juiz diz que empresário agiu de forma articulada e violenta

Dono do bar Bambambã – localizado na 408 Norte, em Brasília – Gabriel Ferreira...

Mais para você