InícioNotíciasPolíticaSTF: Gilmar pede vista e suspende julgamento de regras da previdência

STF: Gilmar pede vista e suspende julgamento de regras da previdência

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), pediu vista e suspendeu o julgamento de 13 Ações Diretas de Inconstitucionalidade que questionam a validade de diversos pontos da reforma da Previdência de 2019. O caso tinha voltado à pauta, nesta quarta-feira (19/6), após pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes.

Nas ações, associações de defensores públicos, magistrados e integrantes do Ministério Público contestam diversos trechos da Emenda Constitucional 103/2019. Entre eles, é questionada a mundança que permite alíquotas progressivas para as contribuições previdenciárias dos servidores públicos federais.

Embora o ministro Luís Roberto Barroso, relator das ações tenha reconhecido a constitucionalidade das regras contestadas, os ministros, ao longo da sessão deram votos diversos do relator em alguns pontos e concordaram com outros.

Antes do pedido de vista de Gilmar Mendes, a Corte havia formado maioria em quesitos que atingem servidores públicos. Houve entendimento de que deve ser invalidado trecho da lei que autoriza a incidência de contribuição ordinária sobre os proventos de aposentados e pensionistas acima do salário mínimo quando houver déficit no Regime Geral de Previdência Social (RGPS).

Dentro da legislação, essa é uma medida criada com a justificativa de equilibrar os regimes próprios de previdência social de Estados e municípios  dos servidores com déficits atuariais. Essa contribuição hoje é temporária e incide sobre proventos de aposentados, pensionistas e servidores ativos, deendendo da necessidade.

Além disso, a maioria dos ministros foi contra as diferenças nas regras para as aposentadorias de mulheres da iniciativa pública e da privada. A reforma da previdência estabeleceu diferentes prazos de aposentadoria para mulheres do RPPS e do RGPS, que afetam a idade mínima, o tempo de contribuição e o cálculo de benefícios.

O ministro Gilmar Mendes tem 90 dias para devolver o processo para julgamento. Depois da liberação, cabe ao presidente do STF, ministro Luís Roberto Barroso pautar o caso para ir a plenário.

Como votou o relator do caso O ministro Luís Roberto Barroso reconheceu a constitucionalidade de regras contestadas e votou para que sejam mantidas.

Barroso atendeu, de forma parcial, apenas um dos pedidos apresentados nas ações. Trata-se do artigo 149, parágrafo 1º-A, inserido na Constituição pela emenda. Segundo ele, o dispositivo deve ser interpretado no sentido de que a base de cálculo da contribuição previdenciária de inativos e pensionistas pode ser aumentada somente se persistir, comprovadamente, déficit previdenciário mesmo após a adoção da progressividade de alíquotas.

Barroso avaliou que o déficit no setor é incontestável e piorou significativamente nos últimos anos. Segundo ele, o pagamento de aposentadorias e pensões consome fatia relevante do Produto Interno Bruto (PIB) e do orçamento estatal, deixando poucos recursos para setores como saúde e educação.

O ministro acredita que as mudanças podem reduzir o endividamento público, além de ter impactos macroeconômicos positivos, como o estímulo ao consumo e à produção.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Economia surpreende e redes criam “desinformação”, diz Haddad

Ministro da Fazenda volta a falar em desafio de comunicação da equipe econômica; segundo...

Bet Esporte: Apostas e Dicas no Mundo dos Esportes

Este artigo faz uma análise detalhada dos melhores sites de apostas esportivas do Brasil. Mostra suas...

Esperança de voltar? Yuri Lima toma decisão após término com Iza

O término do namoro de Iza e Yuri Lima deu o que falar nesta...

Mais para você