InícioNotíciasPolíticaBolsonaro desabafa e lança tese após novo avanço da Polícia Federal

Bolsonaro desabafa e lança tese após novo avanço da Polícia Federal

Após a Polícia Federal (PF) apontar desvio de R$ 6,8 milhões com a venda de joias, Bolsonaro fez ponderações sobre a investigação da qual é alvo e levantou a tese de “arrependimento eficaz”. A pessoas próximas, o ex-presidente argumentou que o relatório que o incrimina seria baseado, quase em sua totalidade, na palavra do delator Mauro Cid. E que o ex-ajudante de ordens tampouco teria apresentado provas sobre as supostas movimentações financeiras e o “rastro” do dinheiro.

Bolsonaro disse, também, não ver irregularidade na recompra de presentes negociados nos Estados Unidos. Na visão dele, os itens teriam sido recuperados para seguir a determinação do Tribunal de Contas da União (TCU), de março de 2023, sobre a devolução dos objetos. Ele argumentou que, antes dessa decisão do TCU, as regras sobre presentes recebidos davam margem a diferentes interpretações.

1 de 4

PF não viu envolvimento de Michelle Bolsonaro na venda de presentes

Igo Estrela / Metrópoes

2 de 4

Ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, Mauro Cid firmou acordo de delação premiada

Breno Esaki/Metrópoles

3 de 4

Ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) deixa prédio da Polícia Federal após prestar depoimento

Vinícius Schmidt/Metrópoles

4 de 4

Operação da PF tem como alvo adulteração em cartões de vacina da Covid-19

Breno Esaki/Metrópoles

De acordo com Bolsonaro, a recompra configuraria o que, no jargão jurídico, é conhecido como “arrependimento eficaz”. Segundo a doutrina, isso ocorre nos casos em que o agente se arrepende e impede que o crime seja concretizado.

O artigo 15 do Código Penal estabelece que “o agente que, voluntariamente, desiste de prosseguir na execução ou impede que o resultado se produza, só responde pelos atos já praticados”. E prevê a exclusão da pena.

Em tom de desabafo, o ex-presidente se disse, ainda, vítima de uma “implacável” perseguição.

PF fala em “operação clandestina” Integrantes da Polícia Federal que atuaram no caso das joias, porém, têm outra interpretação sobre a recompra de itens negociados. Segundo o delegado Fábio Shor, houve uma “operação clandestina”, promovida pelo entorno de Bolsonaro, para obstruir as investigações e mascarar o suposto esquema criminoso.

Quanto às movimentações financeiras, a PF aponta que elas teriam ocorrido em dinheiro vivo, o que dificultaria o rastreio. Ao todo, a Polícia Federal indiciou 11 pessoas.

Segundo fontes da coluna, a Procuradoria-Geral da República (PGR), conduzida por Paulo Gonet, oferecerá denúncia contra a maior parte dos indiciados, incluindo Bolsonaro. Dada a repercussão do caso, a expectativa é que o julgamento envolvendo o ex-presidente seja levado ao plenário do Supremo Tribunal Federal, com a participação dos 11 ministros da Corte.

Você sabia que o Itamaraju Notícias está no Facebook, Instagram, Telegram, TikTok, Twitter e no Whatsapp? Siga-nos por lá.

Últimas notícias

Lapsos de memória de Biden viram memes e viralizam na internet

Presidente dos EUA chamou sua vice Kamala Harris de Donald Trump e confundiu os...

Quem é Gabriela Sousa, esposa de Nego Di presa em operação do MP

Gabriela Sousa e Nego Di foram alvo de uma operação do Ministério Público do...

Cidade de São Paulo recebe mais doses da vacina contra dengue

A cidade de São Paulo recebeu uma nova remessa de vacinas contra a dengue,...

Mais para você